Edição anterior (2457):
segunda-feira, 02 de agosto de 2021
Ed. 2457:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2457): segunda-feira, 02 de agosto de 2021

Ed.2457:

Compartilhe:

Voltar:


  Colunistas
ARISTÓTELES DRUMMOND
COLUNISTA

 

 

Nos tempos de D. Darcy e D. Sarah

 

Aristóteles Drummond

Esses dias de excepcional frio no nosso Estado, curte-se as bebidas quentes, com ou sem álcool, os agasalhos retirados dos armários, o final de semana na região serrana. Muito pouco se fala dos que sofrem com o frio, que, sem proteção e já fragilizados, adoecem, quando não morrem.

Sou de um tempo em que os colégios católicos, maioria dos privados, de meninos ou meninas, promoviam feiras, rifas e shows, para destinar aos carentes.

A mais relevante e tradicional era a Campanha do Agasalho, comandada por Stella Goulart Marinho, mulher de Roberto Marinho e mãe de seus quatro filhos, que distribuía milhares de agasalhos e cobertores. O Rio oferecia o calor da solidariedade, sem pregação política, sem abordar questões de fundo ideológico. E o exemplo de Stella, mulher de personalidade, sentido social e militância cultural, tinha adesão de outras mulheres socialmente bem colocadas.

Hoje, com um Brasil tão mais rico, não se percebe nas novas gerações esta presença ativa no front da solidariedade cristã. Claro que temos exemplos de sucessoras da incansável e admirável Gisella Amaral, agindo com discrição, como é o caso da primeira-dama Aline Castro, que acompanha o bonito trabalho do Rio Solidário, comandado por este jovem idealista, vocacionado para a vida pública que é Himalaia Tuppy Galvão. Precisamos voltar aos tempos em que os governantes tinham em suas mulheres um braço social, como Getúlio teve em D. Darcy, a filha Alzira e JK, em D. Sarah.

Mas o frio, a pandemia e a crise social que vivemos poderiam fazer ressurgir este voluntariado do bem, promovendo apoio a entidades e projetos existentes, como são os casos do Projeto Uerê e Bees of Love, que atuam através de doações de particulares. Ressalta-se ainda que as igrejas já tiveram presença maior, a partir do sucesso da Feira da Providência, instituída quando era Cardeal do Rio o admirável D. Jaime de Barros Câmara.

Hoje, mais do que nunca, devemos promover uma sociedade mais solidária. E a Prefeitura e o Governo do Estado poderiam sinalizar apoio a esta mobilização, dando o nome de grandes referências da beneficência como os de Stella Marinho, Gisella Amaral e Alzira Amaral Peixoto.

 

 



Edição anterior (2457):
segunda-feira, 02 de agosto de 2021
Ed. 2457:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2457): segunda-feira, 02 de agosto de 2021

Ed.2457:

Compartilhe:

Voltar: