Edição anterior (2448):
sábado, 24 de julho de 2021
Ed. 2448:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2448): sábado, 24 de julho de 2021

Ed.2448:

Compartilhe:

Voltar:


  Colunistas
Frederico Amaro Haack
COLUNISTA

 

 

 CRIAÇÃO DA ESCOLA DOMÉSTICA NOSSA SENHORA DO AMAPARO

 

Frederico Haack – professor de História

Em 15 de julho de 1868, Padre Siqueira foi em pessoa apresentar ao imperador dom Pedro II, o programa para a fundação de um estabelecimento pio, a Escola Doméstica Nossa Senhora do Amparo, mas conhecido pelos petropolitanos apenas como: “Amparo”.  Segue abaixo o programa entregue em pergaminho na íntegra ao Imperador pelo sacerdote.

“Senhor, com profundo respeito, venho à augusta presença de Vossa Majestade Imperial, ter a subida honra de apresentar o programa de estabelecimento pio, que tenho projetado e sobre cujo assunto, Vossa Majestade já se dignou ouvir-me.

Esforço-me para ver realizado o meu pensamento confiando em Deus, em Vossa Majestade e no povo brasileiro, cuja caridade não me há de faltar. A educação de um povo Senhor, não está somente nos estudos, que levam ao caminho das ciências. Cada um para o que nasceu e conforme as suas condições. O pobre precisa do trabalho como riqueza, para isso, a instrução apropriada, o costume e a moralidade se tornam indispensáveis.

Atualmente, quando os altos poderes do Estado se ocupam da importante questão sobre a emancipação da escravatura, é quando julgo mais oportuno pôr em prática o meu pensamento; então não me parece somente de utilidade ou caridade, considero antes como necessidade.

Tenho permanecido em algumas das províncias do Império e tenho encarado com atenção para a educação da pobreza que constitui a maioria do país; e o que vi, Senhor! Foi que se limitava ao ensino tosco da nossa língua e das quatro operações – a religião completamente esquecida, os maus costumes, a indiferença pelo trabalho, os vícios, enfim, dominando a criança desde a tenra idade, crescendo com elas para serem transmitidas à nova geração, pois foi esse o legado de seus pais.

Então fui impelido a revelar e por em prática o meu pensamento a tal ponto, que o silêncio por mais tempo convencer-me-ia de uma falta grave perante Deus e a sociedade.

O meu pensamento, senhor é de criar um estabelecimento para a pobreza, a mais desvalida, a do sexo feminino, dando-lhe uma educação conveniente para o serviço doméstico proporcionada à condição que lhe foi destinada pela Providência Divina. Convencido de que assim cumprirei com um dever como sacerdote, servindo à religião de Nosso Senhor Jesus Cristo e à sociedade a que pertenço resignado e cheio de confiança só espero pela aprovação de vossa Majestade para dar princípio à referida obra.”

 

PROGRAMA PARA CRIAÇÃO DE UM ESTABELECIMENTO PIO PARA O SEXO FEMININO

 

Capítulo I

 

Do Estabelecimento

Art.1° - Terá por título Escola Doméstica de Nossa Senhora do Amparo

Art.2º - Seu fim é dar educação apropriada as meninas pobres, apara servirem em casas de famílias, como criadas, ficando, entretanto, sob a proteção da Escola, até que se achem em condições que as dispensem e que estão marcadas neste programa.

Art.3º - Terá uma capelania sob invocação da mesma Senhor do Amparo.

 

Capítulo II

 

Da Administração

Art.1º - A Administração será composta de dois sacerdotes, um reitor capelão e de um vice-reitor como coadjutor; e a interna de um número conveniente de Irmãs de Caridade que tomarão conta do ensino e direção das meninas.

Art.2° - As obrigações relativos ao Reitor e Vice-Reitor, às Irmãs de Caridade e à Superiora respectiva, se acharão nos estatutos que serão apresentados no tempo competente.

Capítulo III

Do Ensino

 

Art.1º -  As matérias de ensino resumem-se ao seguinte:

§1º - Doutrina Cristã e história sagrada, etc.

§2º - Ler e escrever bem a língua nacional e as quatro operações de aritmética.

§3º - Arranjos domésticos.

§4º - Costura, bordados, tecidos e flores.

§5º - Cozinha, lavagem e engomado.

§6º- Cultura de horta e jardim no que diz respeito à conservação ou tratamento.

Art.2º - Os trabalhos serão divididos em duas grandes classes:

§1º - A primeira classe compor-se-á de meninas de 7 a 12 anos que receberão o ensino menos pesado e que sua tenra idade e desenvolvimento comportarem.

§2º - A segunda será das meninas de 12 a 18 anos, que receberão todo o ensino da escola.

Art.3º - Todos os trabalhos relativos aos serviços interno da escola serão feitos pelas meninas, distribuídos semanalmente, como objeto de ensino, porém sempre de acordo com o artigo 2º deste capítulo.

Continua...

 



Edição anterior (2448):
sábado, 24 de julho de 2021
Ed. 2448:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2448): sábado, 24 de julho de 2021

Ed.2448:

Compartilhe:

Voltar: