Edição anterior (1586):
sexta-feira, 15 de março de 2019
Ed. 1586:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1586): sexta-feira, 15 de março de 2019

Ed.1586:

Compartilhe:

Voltar:


  Colunistas
Diário Automóveis
COLUNA

Volkswagen Fox e SpaceFox recebem apenas três estrelas no teste do Latin NCAP

Modelos Fox e SpaceFox foram submetidos a novo teste de impacto do Latin NCAP e alcançaram apenas três estrelas para proteção de adultos e crianças

EG Enio Greco – Portal Vrum


Apesar de já estar próximo do seu fim de vida, o Volkswagen Fox foi submetido mais uma vez ao teste de impacto do Programa de Avaliação de Novos Veículos para a América Latina e o Caribe, o Latin NCAP, juntamente a perua SpaceFox, que já deixou de ser produzida na Argentina. Ambos receberam apenas três estrelas para proteção de adultos e crianças nos testes de impacto frontal e lateral, contando com dois airbags. Foi o primeiro resultado divulgado pelo Latin NCAP este ano.

O Volkswagen Fox já havia sido avaliado pelo programa em 2015, quando era utilizado um protocolo de segurança menos rígido. Na ocasião, o hatch obteve quatro estrelas na proteção para adultos e duas para a segurança de crianças. Agora, ambos os modelos foram avaliados sob um protocolo mais rigoroso.

De acordo com o Latin NCAP, embora a SpaceFox tenha apresentado alta intrusão no impacto lateral, os registros no peito do dummy alcançaram pontuação para obter apenas três estrelas. A estrutura lateral do assento e os elementos de absorção de energia localizados na porta e no banco ajudaram o dummy a manter os valores biomecânicos críticos abaixo dos limites máximos permitidos. A perua tem ancoragens Isofix como equipamento padrão, mas não atende aos requisitos do Latin NCAP por não ter a sinalização adequada. Outro ponto negativo é que o modelo ainda traz cinto de segurança de dois pontos na posição central traseira. Falha grave também considerada pelo Latin NCAP é a ausência do Controle Eletrônico de Estabilidade (ESC) como equipamento padrão.

 (foto: Latin NCAP/Divulgação)

O relatório da entidade apontou que no impacto frontal as cabeças e os pescoços do motorista e do passageiro receberam boa proteção dos airbags e cintos de segurança. Os cintos de segurança dianteiros estão equipados com pretensores e limitadores de carga. O tórax do passageiro apresentou boa proteção e o do motorista, proteção marginal. Mas os joelhos dos passageiros poderiam atingir estruturas perigosas do painel. As canelas do motorista e do passageiro mostraram boa e adequada proteção, respectivamente. Os pés do motorista obtiveram boa proteção, com deformação insignificante na área. A estrutura do veículo foi considerada estável.

 (foto: Latin NCAP/Divulgação)

 Já no teste de impacto lateral, a proteção para a cabeça e a pelve de adultos foi considerada boa. Em relação ao abdome, a proteção é adequada, mas para o tórax, é fraca. Atendendo aos requisitos do Latin NCAP, os modelos trazem o lembrete do uso do cinto de segurança (SBR) para o motorista.


CRIANÇAS No teste para proteção a crianças de três anos, o Sistema de Retenção Infantil (SRI) foi instalado no VW Fox voltado para frente e não conseguiu impedir o movimento brusco durante o impacto. Já o SRI para a criança de 18 meses foi instalado olhando para trás, proporcionando resultado melhor. Nos testes de impacto lateral, a proteção para crianças foi considerada boa.

 

Chevrolet Cruze deixa de ser fabricado nos Estados Unidos e no México

Como no Brasil, hatch e sedã estão perdendo espaço para os SUVs em vários mercados. No Brasil, modelo ganha reestilização ainda nesse primeiro semestre nos mesmos moldes do veículo até então vendido nos EUA

PC Pedro Cerqueira – Portal Vrum

 

 Chevrolet Cruze vai ganhar reestilização no Brasil ainda nesse primeiro semestre(foto: Chevrolet/Divulgação)

A General Motors anunciou o fim da produção do Cruze, hatch e sedã, nos Estados Unidos e no México, respectivamente nas plantas de Ohio e Coahuila (onde a nova Blazer passa a ser fabricada). Curioso é que o modelo foi reestilizado nesses mercados há menos de um ano, indicando que a GM vai fazer como seus principais concorrentes naquele mercado, Ford e FCA, focando suas ações em produtos que estão dando mais retorno, como SUVs e picapes.

Por enquanto o Brasil não será afetado por esta baixa, já que nosso Cruze é fabricado na Argentina. Ainda nesse primeiro semestre o modelo vai ganhar o mesmo facelift do veículo americano. Até que o ciclo desse veículo termine, o que costuma durar no máximo três anos, o Cruze deve ser vendido no Brasil. Porém, depois disso, a falta de um projeto global, pode colocar em seu lugar um produto voltado para países emergentes.

De acordo com os emplacamentos de 2018, o desempenho em vendas que mais preocupa é o do Cruze hatch, com apenas 5.535 unidades. Mesmo sendo o hatch médio mais vendido, o volume é muito baixo e acionou o botão do pânico no segmento. Já o Cruze sedã registrou 19.828 emplacamentos, o que equivale a um terço das vendas do campeão Toyota Corolla, um desempenho normal para um segmento que já tem dono.

A principal mudança no Cruze 2020 está na dianteira, com a adoção de um novo para-choque, grade inferior maior e o novo posicionamento da “gravatinha” entre as grades. Na traseira, o modelo ganha apenas um novo para-choque. Já o conjunto mecânico, com motor 1.4 turbo e câmbio automático de seis marchas, continua o mesmo usado atualmente.

 
 


Edição anterior (1586):
sexta-feira, 15 de março de 2019
Ed. 1586:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1586): sexta-feira, 15 de março de 2019

Ed.1586:

Compartilhe:

Voltar:








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior