Edição anterior (1556):
quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019
Ed. 1556:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1556): quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Ed.1556:

Compartilhe:

Voltar:


  Cidade

Escolas particulares aderem a política pública de Defesa Civil nas Escolas

O programa de prevenção será realizado em 35 colégios particulares da cidade

 

Inédita no país e obrigatória na rede municipal de ensino, a política pública de Defesa Civil nas Escolas vai ganhar espaço nas salas de aulas de 35 colégios particulares. Profissionais de ensino selecionados pelas instituições para darem andamento ao projeto nas unidades participaram de uma reunião nesta terça-feira (12.02) na Sala de Cooperação da Defesa Civil e puderam conhecer o cronograma do projeto, que permite aos alunos desenvolverem a cultura de prevenção aos desastres de origem natural e de percepção de riscos. A principal novidade para este ano é que as escolas que contam com ensino infantil e creche também serão inseridas no projeto. Outro destaque foi a inclusão do tema bem-estar animal dentro da proposta.

Com 234 áreas de risco alto ou muito alto – o que equivale a 18% do município - e um déficit habitacional de 12 mil casas, a política pública é mais uma ação de prevenção aos desastres naturais. A iniciativa vai reforçar todas as ações que trabalham a importância da prevenção não só no ambiente escolar, mas também na comunidade.

“Com a participação das escolas particulares, aumentamos a quantidade de crianças com acesso ao projeto. O Defesa Civil nas Escolas é uma medida a longo prazo, que vai garantir um futuro mais resiliente para a nossa cidade. A Defesa Civil está cada dia mais próxima das comunidades e também dos alunos”, pontua o prefeito Bernardo Rossi.

As escolas presentes no encontro também foram convidadas para participarem da capacitação dos profissionais de ensino, que acontece nos dias 18 e 22 de fevereiro na Câmara de Vereadores é pioneira no país com a lei da Defesa Civil nas Escolas, que foi sancionada e publicada em Diário Oficial, que busca garantir um futuro mais seguro para os petropolitanos.

Júlio César Gazzoni, professor responsável pela Escola Yeshiva Colegial Machans Israel, destacou que o trabalho com os jovens vai desenvolver uma nova cultura para a cidade. “Vai mudar a forma de pensar do município. As crianças disseminam a informação em casa e nos locais que frequentam. É uma ótima iniciativa da prefeitura”, disse.

Rafaela Pena, que representou o Centro Educacional Krimberg, ressalta que a escola já faz um trabalho parecido e que vai reforçar o trabalho com a parceria junto à Defesa Civil. “Precisamos conscientizar as crianças sobre os riscos que existem na nossa cidade. É importante esse trabalho, já que estamos em uma cidade bastante vulnerável”, afirmou.

Segundo o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz, a participação das escolas particulares é mais um passo importante na inserção da política pública entre os jovens. Ele também destacou o acesso dos colégios com educação infantil e creches, além do tema bem-estar animal.

“Desde o ano passado, abrimos a nossa política pública para todas as instituições interessadas. A ideia de transformar a forma de pensar da população passa diretamente pelo ensinamento nas escolas. Precisamos trabalhar desde a infância a percepção de riscos para minimizarmos as consequências de desastres”, frisa Paulo Renato.



Edição anterior (1556):
quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019
Ed. 1556:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1556): quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Ed.1556:

Compartilhe:

Voltar:








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior