Edição anterior (797):
domingo, 15 de janeiro de 2017
Ed. 797:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (797): domingo, 15 de janeiro de 2017

Ed.797:

Compartilhe:

Voltar:


  Drogas


Forças policiais unidas no combate ao tráfico de drogas em Petrópolis


Nos primeiros 15 dias de 2017, ações das Polícias Militar e Civil já contabilizam 38 presos e quase dois quilos de drogas, entre maconha e cocaína apreendidas, além de três armas e vidros de Loló. Ao todo, 136 ocorrências relacionadas ao movimento de drogas foram registradas nas duas delegacias de Petrópolis.

 

 Processamento de maconha em Cascatinha

“Estamos sempre empenhados em desarticular a ação do tráfico em todo o município. Está claro que as drogas são a causa da maioria dos crimes ocorridos na cidade, desde roubos a homicídios. Realizamos o policiamento direcionado a prevenção, mas também realizamos um forte trabalho de repressão”, explica o tenente coronel Eduardo Vaz Castelano, comandante do 26º BPM.


No trabalho de repressão, o objetivo é interceptar a droga antes mesmo dela entrar na cidade. Por isso, diariamente, são montadas operações nas entradas da cidade, principalmente nas margens da Rodovia BR-040, no Duques e na Serra Velha da Estrela, onde, principalmente os ônibus intermunicipais são abordados e suspeitos revistados.


“Foi numa dessas operações que, recentemente, flagramos uma mulher trazendo um carregamento de drogas dentro de uma fronha. Inocente, o filho dela, de apenas quatro anos, usava 500 cápsulas de cocaína como travesseiro”, lembra.


Mas, o trabalho conjunto entre as Polícias Militar e Civil, segundo Castelano, tem garantido excelentes resultados. “Com essa união, quem ganha é a cidade. Como exemplo, podemos citar a prisão, na última quinta-feira, da gerente do tráfico da Comunidade do Neylor. São operações de inteligência, existe a troca de informações e parceria. Na maioria dos casos, as ações são bem sucedidas”, destaca.


Apesar de a polícia atuar em todo o município, os bairros Alto Independência e Vale do Carangola, assim como as comunidades do Alemão e Neylor tem recebido maior atenção devido ao número de denúncias, prisões e apreensões de drogas e armas. “Contamos com a ajuda da população e, por isso, disponibilizamos o Disque-Denúncia. Essa ferramenta é importante e possibilita que a pessoa ajude a polícia sem precisar se identificar. A linha não possui identificador de chamadas. Assim, garantimos total anonimato”, completa. O telefone do Disque-Denúncia é o 2242-8005.


De acordo com o coronel, a maior apreensão do ano aconteceu na Rua Bernardo Proença, no Itamarati, no último dia 12. Um casal foi preso. No local foram encontrados, 106 pés de maconha, oito potes de vidro com a erva já preparada para a venda e farto material para endolação. Uma balança de precisão, caderno com toda a movimentação referentes a venda de drogas, duas pistolas falsas calibre 38, com munição real e a quantia de R$ 2,7 mil em espécie, também foram apreendidos.



Edição anterior (797):
domingo, 15 de janeiro de 2017
Ed. 797:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (797): domingo, 15 de janeiro de 2017

Ed.797:

Compartilhe:

Voltar:







Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior