Edição anterior (1679):
domingo, 16 de junho de 2019
Ed. 1679:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1679): domingo, 16 de junho de 2019

Ed.1679:

Compartilhe:

Voltar:


  Colunistas
Ronaldo Fiani
COLUNISTA

 

Transformando Petrópolis em uma Cidade Inteligente: o papel das universidades

             Temos discutido nas últimas semanas as possibilidades de Petrópolis como cidade inteligente. Transformar Petrópolis em uma cidade inteligente significa utilizar as novas tecnologias de informação e comunicação para melhorar a vida dos petropolitanos, planejar seu turismo e promover o desenvolvimento econômico da cidade pela atração e crescimento de empresas em tecnologia de ponta, que produzem bens e serviços de alto valor agregado. Vale destacar que estas empresas geram empregos de qualidade e receita fiscal para a cidade.

Vimos até aqui que a cidade abriga uma instituição de pesquisa de grande importância na área, o Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), empresas estrangeiras, universidades que geram expertise em tecnologia e um Parque Tecnológico no Quitandinha, o Serratec. No artigo de hoje vamos tratar do papel das universidades em Petrópolis.

            Vamos destacar aqui (sem desconsiderar de forma alguma as que não forem mencionadas) três instituições de ensino superior que possuem potencial muito significativo para auxiliar na transformação de Petrópolis em cidade inteligente: a Universidade Católica de Petrópolis (UCP), a faculdade de engenharia de produção da Universidade Federal Fluminense (UFF) e a Faculdade Arthur Sá Earp (FASE). Vejamos como isso pode acontecer.

            Em primeiro lugar, as instituições de ensino superior formam pessoal qualificado, que pode ser absorvido pelas empresas de tecnologia de ponta que já estão estabelecidas em Petrópolis ou fundar novas empresas e startups, isto é, associações de profissionais com uma ideia original, mas que ainda estão em busca de um modelo de negócios (a forma pela qual a ideia original vai gerar receita para a empresa).

Portanto, o desenvolvimento de estratégias pela gestão municipal que transformem Petrópolis em cidade inteligente e resultem em demanda para empresas de tecnologia de ponta em comunicação e informação pode ajudar a fixar mão de obra sofisticada de nível superior na cidade, o que é um grande problema para cidades pequenas que dispõem de instituições de ensino superior, que formam profissionais que são obrigados a deixar suas cidades em busca de empregos.

A UCP possui reconhecida excelência em vários cursos, como é o caso dos cursos de engenharia mecânica e elétrica. Da mesma forma, o curso de engenharia de produção da UFF apresenta em sua grade curricular disciplinas como gestão da informação e gestão da inovação tecnológica, entre outras, qualificando profissionais para trabalhar em empresas na fronteira tecnológica. Também a FASE, instituição de excelência em medicina pode se unir a este esforço, por exemplo, na medida em que os profissionais que forma podem se integrar na nova fronteira tecnológica que é a medicina à distância.

Entretanto, as possibilidades de integração entre instituições de ensino superior e empresas de tecnologia de ponta em Petrópolis não se limitam apenas às instituições fornecerem profissionais para as empresas, que vão atender às demandas da cidade por tecnologias que transformem Petrópolis em uma cidade inteligente, e ajudem nos serviços públicos, na participação dos seus cidadãos na gestão e no planejamento do seu turismo. As empresas do segmento da tecnologia de informação e comunicação podem demandar pesquisas em tecnologia de ponta às instituições de ensino superior da cidade, fortalecendo assim uma atividade que ainda enfrenta muitas limitações na país, que é a pesquisa universitária.

Esta possibilidade é importante porque o fortalecimento da pesquisa, por sua vez, repercute positivamente na qualidade dos cursos superiores. Uma instituição de ensino superior que faz pesquisa aperfeiçoa os seus professores, atualiza o conteúdo de seus cursos e prepara profissionais que conhecem a fronteira de sua área e possuem, portanto, formação com melhor qualidade. A integração entre empresas e instituições, assim, ajuda a elevar o nível de excelência dos cursos aqui oferecidos.

Por último, o desenvolvimento integrado de empresas e instituições de ensino superior abre espaço para as atividades de extensão universitária, ou seja o compartilhamento do conhecimento desenvolvido com a própria comunidade, na forma, por exemplo, de cursos de extensão que auxiliem os Petropolitanos a lidar e usufruir das novas tecnologias. Ganham assim não apenas empresas e instituições de ensino superior, mas todos os Petropolitanos.

A oportunidade está aberta para a cidade.



Edição anterior (1679):
domingo, 16 de junho de 2019
Ed. 1679:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1679): domingo, 16 de junho de 2019

Ed.1679:

Compartilhe:

Voltar: