Edição anterior (2468):
sexta-feira, 13 de agosto de 2021
Ed. 2468:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2468): sexta-feira, 13 de agosto de 2021

Ed.2468:

Compartilhe:

Voltar:


  Educação

Alunos da Firjan SESI Petrópolis levam 84 medalhas na Olimpíada Brasileira de Astronomia

Estudante Matheus Santos Nery foi selecionado para treinamentos com a equipe brasileira que participará da etapa internacional em 2022

  

Assim como nos Jogos Olímpicos de Tóquio, os alunos da Escola Firjan SESI Petrópolis também subiram ao pódio, mas na Olimpíada Brasileira da Astronomia e Astronáutica (OBA). Oitenta e quatro estudantes receberam medalhas, sendo 16 de ouro, 43 de prata e 25 de bronze. Matheus Nery, aluno do Ensino Médio, teve nota alta e foi pré-selecionado para os treinamentos com outros jovens que deverão compor as equipes brasileiras que participarão da Olimpíada Internacional e da Olimpíada Latino-Americana de Astronomia em 2022.

Cerca de 450 estudantes dos ensinos Fundamental e Médio participaram da prova realizada em maio. Foram mais de 900 mil inscritos, o maior número desde o lançamento da OBA, em 1998. Destes, cerca de 450 mil participaram por meio do formato digital. Mais de duas mil cidades estiveram representadas.

A diretora da Escola Firjan SESI Petrópolis, Bianca Mello comemora e acredita que o resultado mostra uma importante influência da escola no estímulo à pesquisa e a descoberta de novos valores e talentos em diferentes áreas de conhecimento. “Aqui no SESI os estudantes são estimulados constantemente a participar de propostas que promovam o desenvolvimento acadêmico e pessoal de cada um. A participação nas olimpíadas e avaliações externas em diferentes áreas, é oportunizada de forma recorrente aos nossos estudantes, considerando o interesse e as habilidades pessoais, respeitando as diferenças e valorizando o potencial individual", explica.

A olimpíada tem como missão debater e compartilhar práticas pedagógicas voltadas as disciplinas de astronomia e astronáutica, além de divulgar o valor dessas ciências em âmbito regional. Dividida em quatro níveis – os três primeiros para alunos do ensino fundamental e o quarto, para os do médio – a prova é composta por dez perguntas: sete de Astronomia e três de Astronáutica. A maioria das questões é de raciocínio lógico.

A Olimpíada Brasileira de Astronomia conta com uma comissão formada por membros da Sociedade Astronômica Brasileira (SAB) e da Agência Espacial Brasileira (AEB), além de ter apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Universidade Paulista (UNIP).

 



Edição anterior (2468):
sexta-feira, 13 de agosto de 2021
Ed. 2468:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2468): sexta-feira, 13 de agosto de 2021

Ed.2468:

Compartilhe:

Voltar: