Edição anterior (1757):
segunda-feira, 02 de setembro de 2019
Ed. 1757:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1757): segunda-feira, 02 de setembro de 2019

Ed.1757:

Compartilhe:

Voltar:


  Colunistas
ARISTÓTELES DRUMMOND
COLUNISTA

 

 

GRAVE DEMORA EM DECIDIR

Todo mundo sabe como gerar empregos e retomar o crescimento do Brasil, mas posturas menores, fruto de vaidades, ambições e interesses menores, continuam a travar a economia e a agravar o social.

O Senado tem o dever de aprovar logo a Reforma da Previdência, que é consenso nacional. Não tem cabimento alguns quererem atrasar a definição para aparecerem no noticiário.  Esta é a primeira da fila e tem de ser logo resolvida. Temos pouco tempo até o final do ano. Hoje em dia o “povo não é bobo” e o Senado  precisa saber disso.

Depois virá a questão tributária e mais alguns acertos na trabalhista. O Brasil tem pressa, são muitos os que sofrem. O mundo está vivendo um momento intenso, em que as mudanças são rápidas. Não podemos ficar no debate estéril e elitista de questões sem importância. Temos de sair da zona de risco de um agravamento das dificuldades. Basta se observar o que acontece no mundo.

Não se trata mais de aprovar ou não propostas do governo, mas, sim, de liberar o país para vencer a crise, resistente pela magnitude do mal provocado por anos de total irresponsabilidade. A perda do primeiro ano de governo não vai prejudicar o governo e sim a população.

O governo, ou melhor, o Palácio do Planalto deve se concentrar nos assuntos objetivos e não nos substantivos. E fugir das armadilhas de um grupo que não quer informar, mas prejudicar e criticar.       Brasil acima de tudo é cuidar dos problemas e deixar o tititi para depois.

A sociedade precisa desarmar espíritos, buscar entender o que deve prevalecer o que toca a melhoria da vida da população, e não se concentrar na cobrança severa de mau uso das palavras.

Os bons projetos estão prontos para execução. Falta a consciência de todos os envolvidos, dentro e fora do poder público, de que não podemos ficar mais na perplexidade de um debate sem fim.  Nossas fragilidades apontam para os altos riscos de maiores dificuldades.

Neste clima, o Judiciário vem ousando enfrentar a nítida vontade popular e buscar preciosismos jurídicos para restabelecer a impunidade no país .

A sabedoria popular já diz que em casa em que falta pão prevalece a confusão. Uma demora maior na remoção dos entraves ao desenvolvimento vai afetar a vida de todos de maneira mais aguda.

 É preciso responsabilidade, inclusive em cobrar um compromisso com a realidade.

 Senão vai faltar pão!

 

 



Edição anterior (1757):
segunda-feira, 02 de setembro de 2019
Ed. 1757:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1757): segunda-feira, 02 de setembro de 2019

Ed.1757:

Compartilhe:

Voltar:








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior