Edição anterior (2372):
domingo, 09 de maio de 2021
Ed. 2372:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2372): domingo, 09 de maio de 2021

Ed.2372:

Compartilhe:

Voltar:


  Colunistas
ARISTÓTELES DRUMMOND
COLUNISTA

 

 

AGILIDADE PARA VENCER A CRISE

Uma boa pauta para o governador Cláudio Castro e o prefeito Eduardo Paes seria a criação de um grupo de trabalho para levantar as instalações industriais ou agrícolas do Estado e da capital abandonadas em função de falências. Um decreto de desapropriação destes imóveis e seus equipamentos poderia ajudar a liquidação das empresas e seus imóveis serem colocadas à venda para investidores, que, assim, ganhariam tempo.

A fase pós-pandemia, que esperamos ocorra logo, vai exigir muita agilidade do setor público para atrair investidores. O importante passará a ser a recuperação do emprego, e estas instalações poderiam ser reutilizadas em menos tempo do que com novas construções e compra de maquinário.

As procuradorias, em combinação com as varas de Falências, mapeariam o que pode ser aproveitado em curto prazo e trataria da maneira de chegar aos investidores, por leilão, venda direta por propostas ou outro meio, que não seja burocrático. Quem anda pelos subúrbios, pela baixada e mesmo pelo interior sabe que muita coisa pode ser feita. Em Campos, por exemplo, algo em torno da volta da cana e revitalização das usinas de açúcar e álcool seria provavelmente possível. E estão degradadas, à espera de um pacote criativo de aproveitamento. Na região serrana, Petrópolis em particular, são muitos os galpões abandonados.

Infelizmente, a poupança no Brasil é bem abaixo do desejável, o endividamento de famílias, empresas e poder público é que assusta. Atrair capital a esta altura só com muita vontade política, pragmatismo e sem pensar no benefício do investidor, que atua para ganhar, mas sim na geração de emprego para o trabalhador e renda para o setor público.

Temos de sair da politicagem barata. Logo!

ITAIPAVA URGENTE: É preciso a presença da guarda municipal nos horários de pique nos acessos a Itaipava e distritos a partir da 040, disciplinando e fazendo fluir melhor. E fiscalizar a rota de fuga de caminhões que fogem do pedágio de Areal. A Ponte 31 de março, por exemplo, não comporta carretas pesadas. A Polícia Rodoviária poderia ser acionada pela Prefeitura, para fiscalizar os que tentam atravessar o centro de Itaipava, que vai de Bonsucesso até a entrada da estrada para Teresópolis, na altura do Bramil. Uma forma sutil de dificultar o abuso. Documentos, lâmpadas e habilitação conferidos e mais a perda de tempo acaba por desestimular o contorno do pedágio. Em Pedro do Rio, em outro sentido, a burla ao pedágio se repete e ameaça a ponte existente.

 

 



Edição anterior (2372):
domingo, 09 de maio de 2021
Ed. 2372:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2372): domingo, 09 de maio de 2021

Ed.2372:

Compartilhe:

Voltar: