Edição anterior (1820):
segunda-feira, 04 de novembro de 2019
Ed. 1820:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1820): segunda-feira, 04 de novembro de 2019

Ed.1820:

Compartilhe:

Voltar:


  ENTREVISTA

 

Assistência Social amplia programas voltados à população

 Secretaria investirá em novas ações para amparar cidadãos em situação de risco

Leticia Knibel – especial para o Diário

 A Secretária de Assistência Social, Denise Quintella 

O trabalho incansável de toda a equipe da secretaria de Assistência Social tem resultado em programas que se tornaram referência em todo o país. Trabalhar junto à população em vulnerabilidade social exige, não só esforço, mas também paciência para atender as crescentes demandas e superar as dificuldades encontradas.

Visando entender melhor o trabalho realizado pela pasta junto à sociedade petropolitana, o Diário de Petrópolis entrevistou a secretária de Assistência Social, Denise Quintella e o diretor do Departamento de Proteção Social Básica, Rodrigo Camilo Ribeiro, que contaram com exclusividade os novos projetos e os resultados conquistados ao longo do ano por meio dos projetos já estabelecidos.

Centro Pop e NIS

Apesar das reclamações com relação aos moradores em situação de rua, a secretaria de Assistência Social realiza um trabalho constante de resgate dessas pessoas por meio das abordagens diárias da equipe, visando oferecer as mesmas uma nova chance de sair dessa situação, e também as reintegrando a sociedade.

No entanto, é importante ressaltar que não existe lei que as proíba de morar na rua e não há nenhum órgão que possa obrigá-las a aceitar atendimento e acolhimento no NIS (Núcleo de Integração Social). E muitas vezes, esses moradores também não aceitam ajuda ou vaga no abrigo, pois no local existem regras, normas a serem seguidas ao longo do dia, preferindo permanecer na rua.

- Temos um problema sério em relação a própria população que, apesar de se incomodar com os moradores em situação de rua, também ajudam a mantê-los nessa condição, muitas vezes fornecendo colchões, móveis e outros objetos, usados para “montar” um espaço habitável nas ruas. Isso os estimula a permanecer nesse contexto, evitando inclusive ajuda da secretaria – explica Quintella.

A secretária destaca que o NIS possui uma estrutura montada para atendimento da população em situação de rua e, atualmente, abriga 60 usuários que não possuem mais vínculos familiares e que recebem no local todo suporte necessário. “Ali eles possuem, não só a alimentação completa, mas também acompanhamento médico, nutricional, ocupacional e, ao longo do processo de recuperação, tentamos reintegrá-los a sociedade”.

- Por meio do Centro Pop e do NIS, essas pessoas têm acesso a atividades e oficinas sobre diversos temas, essenciais para o processo de recuperação e reintegração, visto que muitos dos usuários do programas enfrentam problemas com vícios em álcool e outras drogas. E o número de atendimentos realizados no Centro Pop aumentou nos últimos anos: de 40 por dia para 140. Com isso, a crescente demanda faz com que nosso trabalho seja ampliado e melhorado para atender as necessidades desses moradores em situação de rua – destaca Denise.

O trabalho requer muita paciência e insistência, pois devido aos inúmeros problemas que essa população apresenta, o processo de recuperação e reintegração é demorado. No entanto, há casos de sucesso, como o do senhor Paulo Cesar que, por meio do atendimento recebido pela assistência social, conseguiu superar as dificuldades e tornou-se jardineiro das unidades que o atenderam, fazendo a manutenção de toda a área verde.

- Nós fizemos um contrato de trabalho temporário com o seu Paulo, pois, na época, precisávamos de uma pessoa para ajudar nessa parte. Agora ele já conseguiu alugar um imóvel para morar, recuperou-se do vício e continua participando das atividades no Centro Pop. Recuperar a dignidade e autonomia foi essencial para que ele conseguisse seguir em frente, mas sempre tendo apoio das ferramentas municipais – revela a secretária.

CREAS

O Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) têm obtido resultados positivos junto aos adolescentes que cumprem medidas socioeducativas em meio aberto, por determinação da Vara da Infância e Juventude, sendo a maioria oriunda do tráfico de drogas. Atualmente, 70 jovens – entre meninos e meninas – são atendidos pelo programa, que visa os reintegrar a sociedade. Desses, 49 realizam trabalhos por meio de órgãos da prefeitura, nos quais aprendem com esses ofícios, resgatando a autoestima e incentivando-os a aprimorar os estudos, e também preparando esses adolescentes para o mercado de trabalho.

- Temos um desafio muito grande com esses jovens, mas aos poucos a parceria entre as secretarias tem nos ajudado a inseri-los novamente na sociedade. Como, por exemplo, o apoio que recebemos do Turispetro que está treinando cinco desses adolescentes para receberem os turistas que virão à cidade no período do Natal Imperial. Eles farão um trabalho de recepcionar os visitantes, fornecer orientações, além de coletar dados para um levantamento a ser feito pela secretaria no fim das festividades – conta Denise.

Além disso, a secretária destaca que um dos próximos passos é abrir uma unidade do CREAS no distrito de Itaipava.

Programa Criança Feliz

Rodrigo conta que, atualmente, o programa Criança Feliz alcança, em média, 700 famílias, sendo que mais de 20 mil visitas foram já realizadas pela equipe responsável desde que o projeto foi criado. Vale ressaltar que a iniciativa tem como objetivo atender mães e crianças até três anos em situação de risco ou vulnerabilidade social.

- O projeto visa estimular o desenvolvimento de crianças, incluindo as que têm algum tipo de deficiência (e recebem o Benefício de Prestação Continuada), trabalhando a parte cognitiva dos pequenos com atividades simples, com objetos criados em casa com material reciclado. Essa ação é essencial para que a coordenação motora, memória e capacidade de aprendizado sejam trabalhadas – destaca Denise.

Ainda de acordo com os responsáveis, o programa é referência em todo o estado do Rio de Janeiro. “Recebemos a notícia de que o Governo Estadual receberá, ainda este ano, representantes do Unicef e, na ocasião, os mesmos farão visitas a municípios do Rio, incluindo Petrópolis, para conhecer os programas sociais neles implantados. Espera-se que os visitantes acompanhem um dos atendimentos feitos através do Criança Feliz, visto que nossa cidade foi eleita uma das que melhor desenvolveu a iniciativa junto a comunidade”, complementa Rodrigo.

 NAPE

Pioneiro no estado, o Núcleo de Atendimento Especializado – Infantojuvenil – NAPE também tem realizado um trabalho constante de combate a violência contra esse público, por meio dos atendimentos psicossociais, com especialistas contratados pela secretaria. Os casos são encaminhados pelas delegacias da cidade, Ministério Público e Conselho Tutelar, após registro feito pelos responsáveis.

- Nos últimos meses, o número de denúncias aumentou fazendo com que ampliássemos o atendimento as crianças e jovens vítimas de abusos (sexual, psicológico, entre outros), incluindo as famílias, e também dos supostos abusadores. Apesar das dificuldades encontradas, as equipes são incentivas a realizar capacitação constante, para atender da melhor forma possível essas vítimas, ajudando-as a superar os traumas e também a trabalhar a convivência familiar, que é sempre afetada pela violência cometida – explica Quintella.

Existe ainda uma lei municipal que regulamenta todo o fluxo de atendimento feito pelo NAPE. “Nosso objetivo agora é alterar essa norma para incluir o projeto que estamos elaborando junto com a delegada titular da 106ª DP, Juliana Zieh, visando formar parceria para atender melhor as vítimas de abuso”, revela o diretor do Departamento.



Edição anterior (1820):
segunda-feira, 04 de novembro de 2019
Ed. 1820:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1820): segunda-feira, 04 de novembro de 2019

Ed.1820:

Compartilhe:

Voltar:







Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior