Edição anterior (2012):
quinta-feira, 14 de maio de 2020
Ed. 2012:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2012): quinta-feira, 14 de maio de 2020

Ed.2012:

Compartilhe:

Voltar:


  Geral
 

Base do ICMBio de Petrópolis é transferida

Sede se concentrará em Teresópolis, junto de cinco outras unidades

Camila Caetano - especial para o Diário

Na manhã de ontem, foi anunciado que a base do ICMBio - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade em Petrópolis foi fechada e deslocada para outro município. A decisão foi tomada por meio da Portaria 426, que também foi publicada nesta quarta-feira e prevê a criação do Núcleo de Gestão Integrada (NGI) em Teresópolis, que agora reunirá cinco unidades de preservação. São elas: APA (Área de Proteção Ambiental) Petrópolis, Reserva Biológica do Tianguá, Parque Nacional da Serra dos Órgãos, Estação Ecológica da Guanabara e a APA Guapimirim - todas concentradas no Parnaso de Teresópolis.

No total, essas unidades contavam com a colaboração de 20 servidores em que, ao serem transferidos para Teresópolis, geraram um custo de remoção de aproximadamente R$1,2 milhão.

O Instituto tem como missão principal proteger o patrimônio natural e promover o desenvolvimento socioambiental através da administração das Unidades de Conservação federais - o que é extremamente importante, visto que Petrópolis tem cerca de 68 mil hectares de preservação ambiental, o qual de 20 a 40% deste espaço, é constituído por área de vegetação de Mata Atlântica Preservada.

Em 2019, o órgão realizou 80 ações entre vistorias e fiscalizações, onde muitas vezes exigiam contrapartidas, ou seja, atividades compensatórias a um possível desmatamento, segundo informações de servidores do Instituto, que preferiram não ser identificados. Um deles pontuou que com a transferência da base para outro município, as atividades de fiscalização perderão muita eficiência.

- Com a transferência da base para Teresópolis a eficiência da fiscalização ficará muito prejudicada, pois se recebermos uma ocorrência de desmatamento em Petrópolis, dependendo da região, demoraremos mais de 2h para nos deslocarmos até aqui. Será mais difícil para atuar e fazermos flagrantes. É pela fiscalização que conseguimos fazer um controle territorial. As normas de fiscalização Federal são mais restritivas que as municipais - contou ele, que continuou dizendo:- já aplicamos diversas contrapartidas em condomínios que foram construídos e tiveram que compensar um desmatamento com plantio de árvores, aumento de área preservada, e afins. Esse acompanhamento é muito importante para diminuir as zonas de desmatamento - finalizou.

Vale ressaltar que Petrópolis sofre muito com a questão das chuvas, pois devido a ocupação das margens dos rios e encostas, acaba resultando na perda da vegetação nativa e expondo a cidade aos riscos da mesma.  O município perde muito com a transferência da ICMBio, pois a instituição também é responsável por cuidar das margens e encostas.

O ICMBio disse, em nota que: “Após realizar um estudo técnico, o ICMBio criou 26 novos núcleos de gestão integrada com o objetivo de alcançar uma maior eficiência no uso de recursos humanos, instalações e equipamentos. Dentre os critérios utilizados estão a proximidade geográfica, as similaridades funcionais, ambientais e de logística.”



Edição anterior (2012):
quinta-feira, 14 de maio de 2020
Ed. 2012:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2012): quinta-feira, 14 de maio de 2020

Ed.2012:

Compartilhe:

Voltar:








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior