Edição anterior (1578):
quinta-feira, 07 de março de 2019
Ed. 1578:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1578): quinta-feira, 07 de março de 2019

Ed.1578:

Compartilhe:

Voltar:


  Cidade

Bispo Diocesano abre tempo da Quaresma na Catedral

O Bispo da Diocese de Petrópolis, Dom Gregório Paixão, OSB, celebrou missa nesta Quarta-feira de Cinzas (6), na Catedral São Pedro de Alcântara, às 19h30, quando foi aberta oficialmente a Campanha da Fraternidade, que este ano tem como tema central Fraternidade e Políticas Públicas.

Com a Quarta-feira de Cinzas, a Igreja dá início ao tempo da Quaresma, período de Jejum, Caridade e Oração. O Catecismo da Igreja Católica em seu número 1438, nos ensina que “os tempos e os dias de penitência no decorrer do Ano Litúrgico (tempo da Quaresma, cada sexta-feira em memória da morte do Senhor) são momentos fortes da prática penitencial da Igreja. Estes tempos são particularmente apropriados para os exercícios espirituais, as liturgias penitenciais, as peregrinações em sinal de penitência, as privações voluntárias como o jejum e a esmola, a partilha fraterna (obras caritativas e missionárias).

Na Audiência Geral ontem, na Praça São Pedro, ao saudar os peregrinos em italiano, o Pontífice, Papa Francisco fez votos de que cada um viva este tempo em “autêntico espírito penitencial e de conversão, como um retorno ao Pai, que espera todos com os braços abertos para nos admitir à comunhão mais íntima com Ele”.

De acordo com o Diretório Sobre a Piedade Popular e Liturgia da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, “o início dos quarenta dias de penitência no rito romano, é símbolo austero qualificado de cinzas que caracteriza a Liturgia das Cinzas. Pertencente ao antigo ritual com o qual os pecadores convertidos se submeteram à penitência canônica, o gesto de se cobrir de cinzas tem o sentido de reconhecer sua fragilidade e mortalidade, precisam ser resgatados pela misericórdia de Deus”.

Ainda de acordo com o documento, o gesto de receber cinzas não é “puramente externo , a Igreja preservou-o como símbolo da atitude do coração penitente que cada pessoa batizada é chamada a assumir no itinerário quaresmal. Os fiéis, que se reúnem para receber as cinzas, serão ajudados a perceber o significado interno implicado neste gesto, que abre a conversão e ao compromisso da renovação pascal”.

No Documento, a Igreja afirma que “apesar da secularização da sociedade contemporânea, o povo cristão adverte claramente que, durante a Quaresma, é necessário dirigir as mentes para as realidades que realmente contam; que requer um compromisso evangélico e coerência de vida, traduzida em boas obras, em formas de renúncia do supérfluo e desnecessário, em manifestações de solidariedade com o sofrimento e os necessitados”.

A Instrução Geral do Missal Romano afirma que “o Tempo da Quaresma visa preparar a celebração da Páscoa; a liturgia quaresmal, com efeito, dispõe para a celebração do mistério pascal tanto os catecúmenos, pelos diversos graus de iniciação cristã. Como os fiéis, pela comemoração do batismo e pela penitência”.

 



Edição anterior (1578):
quinta-feira, 07 de março de 2019
Ed. 1578:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1578): quinta-feira, 07 de março de 2019

Ed.1578:

Compartilhe:

Voltar:








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior