Edição anterior (1647):
quarta-feira, 15 de maio de 2019
Ed. 1647:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1647): quarta-feira, 15 de maio de 2019

Ed.1647:

Compartilhe:

Voltar:


  Obras

Capela do Hospital Alcides Carneiro recebe reparos finais

Até o fim do mês unidade estará aberta ao público


              Entre os setores que recebem intervenções para ampliação e melhorias no Hospital Alcides Carneiro está a Capela Nossa Senhora Aparecida. O santuário foi fechado há um ano e passa por ajustes finais para voltar a ser aberto ao público. A estrutura, que começou a ser revitalizada em setembro de 2018, já teve a parte externa e interna concluídas e agora recebe pequenos retoques para que seja reinaugurada até o fim deste mês. Entre as melhorias está a instalação de rampas de acesso para pessoas com dificuldade motora.

Além de voltar a estar aberta ao público, a estimativa é de que as cerimônias religiosas voltem a ser realizadas no local. “Esta é uma parte essencial para o acolhimento dos familiares e amigos de pacientes. A reforma dessa capela é um cuidado a mais que buscamos ter com os usuários do hospital, além de conservar essa estrutura que faz parte da história do hospital”, destaca o prefeito Bernardo Rossi.

O monsenhor Geraldo Policarpo, pároco de Corrêas já planeja a retomada das cerimônias no local. A ideia inicial é de que sejam realizas celebrações semanais, todas as quintas-feiras. “É muito importante a presença da igreja aqui no hospital”, destaca o pároco que, levando em consideração o grande número de partos realizados mensalmente no hospital, tem a expectativa de realizar batizados na capela. Em média, cerca de 300 crianças nascem na maternidade do Alcides Carneiro.

A dona de casa Lira Geraldo da Conceição, 72 anos, mora na Mosela e ainda não conhecia a Capela, mas seria uma frequentadora tendo em vista a função do santuário no hospital. “Essa capela é muito importante para os familiares dos pacientes. É um lugar onde as pessoas encontram conforto”, destaca a Lira que acompanhava o marido, que foi recentemente submetido a uma cirurgia.

O técnico de enfermagem, André Lorang há três anos trabalha no hospital e destaca a necessidade da Capela para o hospital. “A Capela representa a união da fé com a busca da cura. A reabertura é muito importante”, destaca André, que assim como o supervisor de infraestrutura do HAC, Alicio Resende, voltará a ser um dos frequentadores da  capela. “Esse local é um conforto para os familiares e amigos de parentes, que encontram na capela um local de tranquilidade”, conta Alício.



Edição anterior (1647):
quarta-feira, 15 de maio de 2019
Ed. 1647:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1647): quarta-feira, 15 de maio de 2019

Ed.1647:

Compartilhe:

Voltar:







Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior