Edição anterior (1671):
sábado, 08 de junho de 2019
Ed. 1671:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1671): sábado, 08 de junho de 2019

Ed.1671:

Compartilhe:

Voltar:


  Polícia

Casa invadida por ladrões em Corrêas

Uma pistola foi levada, além de cerca de R$ 6 mil em dinheiro e cheques

João Vitor Brum


 Uma residência localizada na Rua Melita, no Castelo São Manoel, em Corrêas, foi invadida por bandidos na última quinta-feira (6). Do local, que não apresentava sinais de arrombamento, foram levados dois cofres, contendo cerca de R$ 2 mil em dinheiro, R$ 4 mil em cheques, um telefone celular e um anel de ouro de 18 quilates. Uma pistola, calibre 380, também foi furtada.

Os proprietários da residência, uma mulher de 65 anos e um homem de 67, acionaram a Polícia Militar por volta das 9h50 de quinta, informando o furto. O casal foi levado à 105ª Delegacia, no Retiro, para registrar o caso e prestar depoimento, e a ocorrência foi encerrada por volta das 13h20. A arma levada está registrada no nome da filha do casal, que atualmente mora na Irlanda, e, segundo a proprietária da casa, não estava nos cofres.

Para o presidente do Conselho Comunitário de Segurança (CCS), Guilherme Lacombe, que assumiu há uma semana, é de suma importância que as vítimas registrem os casos junto à Polícia.

- Muitas ocorrências não chegam à PM, o que atrapalha muito na resolução dos casos. Dentro do Conselho, tentamos lidar com casos que possuem o registro, pois temos a garantia de aquilo aconteceu. Com as redes sociais, há uma divulgação muito grande de notícias falsas ou incompletas, o que ajuda a formar uma sensação de insegurança que não condiz com a realidade da cidade – disse Guilherme.

O Instituto de Segurança Pública (ISP), que levanta dados da violência no Rio de Janeiro sobre diversas ocorrências, não registra especificamente furtos em casas, mas aponta que houve oito casos de roubo à residência na cidade neste ano, cinco registrados na 105ª Delegacia, no Retiro, e os outros três na 106ª, em Itaipava.

O número é igual ao do ano passado, mas vale ressaltar que o índice variou em cada delegacia: em 2018, foram quatro registros em cada uma, o que representa um caso a menos na área atendida pela Delegacia de Itaipava e um a mais na região central.

- A realidade petropolitana é mais tranquila, a população está acostumada com uma cidade segura, e por isso há uma comoção grande quando há alguma ocorrência. Devemos lembrar, sempre, que há sim a violência, mas em casos pontuais e que são arduamente investigados pelas forças de segurança pública, para garantir o bem-estar da população – disse Lacombe.

Ele destaca, entretanto, que todos os casos devem ser investigados e levados em consideração para assegurar a segurança de todos.

- Claro que não devemos ignorar um caso por ser “menos grave”. Tudo é motivo de atenção e deve ser dialogado, levado às instituições competentes e acompanhado por toda a comunidade. O que não pode acontecer é acharmos que a situação está fora de controle por casos registrados em uma semana, pois este não é o caso de Petrópolis. Por exemplo, um bandido responsável por três roubos no início da semana foi preso rapidamente pela Polícia Militar, o que mostra o empenho em garantir a segurança da população – completou o presidente do CCS.

Guilherme Lacombe aproveitou a oportunidade para convidar a população à próxima reunião do Conselho, que acontece no dia 24, última segunda-feira de junho, na Rua Irmãos D’Ângelo, número 48, na cobertura 6.



Edição anterior (1671):
sábado, 08 de junho de 2019
Ed. 1671:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1671): sábado, 08 de junho de 2019

Ed.1671:

Compartilhe:

Voltar:








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior