Edição anterior (2019):
quinta-feira, 21 de maio de 2020
Ed. 2019:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2019): quinta-feira, 21 de maio de 2020

Ed.2019:

Compartilhe:

Voltar:


  Cidade

Chefe Lydia representa Petrópolis no programa Mestre do Sabor

Lydia conta um pouco de sua trajetória e da adaptação de seu negócio durante a crise

Camila Caetano – especial para o Diário


 Para quem assiste Mestre do Sabor – um programa de culinária transmitido pela rede Globo, sabe que Petrópolis está sendo muito bem representado pela Chefe Lydia Gonzalez, uma profissional exímia que faz com que o seu trabalho seja fruto das boas experiências que teve ao longo da vida. Uma boa expressão disso tudo é o Angá, seu ateliê culinário, que além de refeições, promete oferecer muitas vivências.

Lydia dedica 18 anos da sua vida à gastronomia e diante do cenário de crises que estamos vivendo, a profissional conta um pouco da sua história, e das suas expectativas para os momentos após o surto do novo coronavírus. Além do mais, ela também diz como está sendo a adaptação do seu negócio nesse período.

A Chefe contou ao Diário que cresceu cercada por cozinhas, mas nunca tinha encarado isso como uma profissão. No entanto, escolheu a gastronomia aos 17 anos e desde então não parou mais. Ela também salienta dizendo que pra ganhar o respeito da equipe, tinha que ser cinco vezes melhor que os cozinheiros.

- Hoje em dia são 18 anos dedicados à gastronomia, começando pela faculdade e formação em vinhos pra logo em seguida entender que o caminho era mesmo trabalhar pra ganhar bagagem. Comecei então uma série de trabalhos e estágios em diversos tipos de cozinha até encontrar o meu próprio formato. Neste tempo, dividi minhas experiências entre estágios e trabalhos como chefe, entendendo que dar passos e voltar atrás como estagiária ou cozinheira era sempre muito enriquecedor. Eu tinha que ser 5 vezes melhor que um cozinheiro para ganhar respeito da equipe. Mas no fim acho que isso só fortaleceu minha trajetória profissional - disse ela, que continuou:- assim passei por cozinhas francesa, japonesa, italiana, capixaba, sulista, montei pequenos negócios como consultora, liderei cozinhas em hotel, até sair do Brasil para um período na Europa dividido entre trabalhos em grandes restaurantes estrelados e muito pé na estrada mesmo, para provar, comer, beber e sentir o mundo. Depois disso retornei ao Brasil entendendo que o meu caminho era mesmo na cozinha brasileira – relatou ela, contando que o Angá surgiu após todas essas experiências.

Segundo ela, o Angá foi o lugar que encontrou para sintetizar todas as suas experiências. No entanto, diante do cenário que estamos vivendo, o restaurante está passando por um momento de reestruturação.

- O Angá foi um retorno às minhas raízes, o lugar que encontrei para sintetizar todas as minhas experiências, e no meio disso tudo surgiu o programa. Contudo, nosso negócio (da gastronomia) é um dos setores mais afetados e nós no Angá não vendemos só comida, mas sim entretenimento e experiências. Sendo assim, não nos movimentamos para delivery como outros negócios. Estamos em fase de planejamento e reestruturação. Em breve lançaremos um novo projeto que promete entregar todo o nosso trabalho em casa. Estamos trabalhando para que essas transformações que se fizeram obrigatórias transformem alguns projetos que estavam no papel em mudanças reais e duráveis – finalizou ela, dizendo que apesar de tudo, se mantém otimista pois as coisas acontecem quando abrimos espaço pra elas acontecerem.

Outras informações sobre o Angá podem ser obtidas pelo site https://www.angaatelieculinario.com/atelie-culinario.



Edição anterior (2019):
quinta-feira, 21 de maio de 2020
Ed. 2019:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2019): quinta-feira, 21 de maio de 2020

Ed.2019:

Compartilhe:

Voltar:








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior