Edição anterior (1708):
segunda-feira, 15 de julho de 2019
Ed. 1708:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1708): segunda-feira, 15 de julho de 2019

Ed.1708:

Compartilhe:

Voltar:


  Cidade

Dia Mundial do Rock completa 34 anos

Guitarrista da banda “Hover” conta sobre as dificuldades de trabalhar com o ramo na cidade

Antônio Reuther

 

O Dia Mundial do Rock é comemorado dia 13 de julho. A data é celebrada anualmente e foi escolhida em homenagem ao evento Live Aid, que ocorreu neste mesmo dia em 1985, cujo objetivo principal foi conscientizar a população sobre a pobreza e a fome na Etiópia. O evento contou com a presença de renomados artistas como Paul McCartney, Phill Collins, Queen, entre outros.

O Diário conversou com Felipe Duriez, guitarrista da banda Hover, cujas origens são na Cidade Imperial, para saber a importância de uma data como essas para os músicos que trabalham com o estilo.

História da banda

 

Felipe contou como surgiu a ideia de criação do grupo que, atualmente possui outros quatro integrantes, além de Felipe: Saulo Von Seehausen (vocal e guitarra), Lucas Lisboa (guitarra), Álvaro Cardozo (bateria) e Leandro Bronze (baixo). O grupo passou por diversas mudanças que, vão desde o nome até o estilo musical.

-Eu, Lucas e Sauloestudamos juntos na mesma escola em 1998 e fazíamos coral. Elestiveram a ideia de criar um grupo musical, pondo primeiramente o nome de Mauricio Lago, com um estilo musical mais puxado para o pop. Com a minha entrada em 2010 e com as mudanças ao longo do tempo, acabou se tornando “Hover” (que quer dizer flutuar em inglês), e mudamos o estilo para rock, pois era um estilo que todos nós gostamos. A formação original é com membros todos aqui da cidade e apenas o Leandro é de Niterói – contou.

As dificuldades e o amor pela cidade

O guitarrista ainda comentou sobre as dificuldades de trabalhar no ramo na cidade. Apesar de uma época onde foram realizados diversos eventos por Petrópolis, atualmente há dificuldades e falta de incentivo, mas levar o nome da cidade, quando possível, é sempre prioridade.

-Atualmente está bem difícil, pois não temos muito incentivo. A maioria dos integrantes não vive apenas do grupo, tendo outros trabalhos. Houve uma época em que fizemos vários shows pela cidade, existiam muito mais bandas locais e tivemos um período muito bom. A cultura da cidadetinha bastante foco nessa área. Havia também diversas casas de show que atualmente estão fechadas e o número de bandas diminuiu bastante. Hoje em dia estamos em um recomeço, mas fica um pouco difícil porque a cidade não tem abraçado muito. Apesar disso, buscamos, sempre que possível, carregar o nome de Petrópolis com nosso trabalho.Tentamos o máximo para fazer as coisas por aqui.Gravar, tocar e estar em um lugar que amamos é muito prazeroso. A questão é que a logística atualmente não ajuda muito, pois com cada um em um lugar fica difícil – disse.

A banda, com seu último disco, fez uma homenagem à cidade. O disco “NeverTrust in theWeather”, lançado em 2016 faz referência ao clima da Cidade Imperial.

-O nosso último disco, por exemplo, é uma homenagem à cidade, pois o clima é mais ou menos isso.Você sai de casa sem ter a certeza se vai precisar ou não de um guarda-chuva e não dá para confiar. Amamos a cidade, tudo que vivemos juntos aqui. Quando perguntam, sempre deixamos claro que somos uma banda de Petrópolis, e não do Rio – completou.

Dia Mundial do Rock

Questionado a respeito do dia, Felipe falou sobre a importância da data, dizendo que serve como um grande incentivo e forma de divulgação.

-Acho que é um dia muito legal, para incentivar as bandas, os encontros. O rock sempre foi uma influencia muito forte para nós. Claro que hoje nós escutamos outros estilos, mas essa é uma paixão que sempre serviu como inspiração. É um dia muito importante. Algo que reascende o interesse pelo rock e é uma oportunidade de divulgar nosso trabalho. Trabalhamos com o que gostamos e é extremamente gratificante – finalizou Felipe.

A data foi celebrada com um evento no Sesc Quitandinha, neste sábado (13), que contou com a presença da banda Estrada da Saudade, além também da prórpria Hover. Foram realizados shows de ambos os grupos e uma roda de conversa com participação especial de Vini Junqueira, baixista dos Mutantes.



Edição anterior (1708):
segunda-feira, 15 de julho de 2019
Ed. 1708:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1708): segunda-feira, 15 de julho de 2019

Ed.1708:

Compartilhe:

Voltar:








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior