Edição anterior (1400):
segunda-feira, 10 de setembro de 2018
Ed. 1400:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1400): segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Ed.1400:

Compartilhe:

Voltar:


  Ensino Superior

Ensino a distância deve ultrapassar o presencial em poucos anos

Estimativa prevê que o recente método supere o tradicional em 2023

Natália Rodrigues natalia.rodrigues@diariodepetropolis.com.br

 O professor da Universidade Estácio de Sá, Roberto Oto

O método de ensino a distância (EAD), vem crescendo em ritmo acelerado e a previsão para os próximos anos é que o Brasil tenha mais alunos inscritos nessa modalidade do que na graduação presencial. Isso é a estimativa de uma pesquisa divulgada no primeiro semestre do ano pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), representante de grande parte do ensino superior no país, mostra que 44% dos entrevistados optariam por essa modalidade, enquanto 56% dizem que preferem o ensino presencial. Nesse ritmo de crescimento, a previsão é que o país tenha a partir do ano de 2023, mais alunos estudando à distância que nas salas de aula tradicionais.

O fator financeiro e a praticidade das aulas são os principais fatores indicados pelos alunos, desses 67%  têm mais de 30 anos, 83% trabalham. O público que mais opta pelas aulas presenciais são os até os 30 anos, cerca de 53%, a dificuldade de acompanhar as aulas e seguir uma rotina de estudos estão dentre as principais respostas.

Apesar ainda sofrer certo preconceito por parte de pessoas que desacreditem no método. Para o coordenador e professor do curso de jornalismo da Universidade Estácio de Sá, Roberto Oto, o EAD é uma modalidade de ensino que será mais adotada futuramente.

- Acredito que essa discussão de que na educação a distância o ensino é pior, que não substitui a sala de aula ou a presença do professor, em breve não fará mais sentido. Porque estamos passando por um momento de transição, então é normal que haja essa comparação, mas a EAD pode servir de complemento da presencial e provavelmente o que vai acontecer é ela se adequar às demandas do aluno - falou.

O professor relata que tanto o novo método quanto no presencial a dedicação do aluno é o principal fator para o aprendizado.

- Tem uma questão em relação ao ensino a distância, que é importante, muitos não gostam dessa modalidade porque tem dificuldade em concluir o curso, em acompanhar o conteúdo programático do curso, mas aí é uma questão de cada um, é algo de disciplina, determinação, e condições para realizar o curso. Mas o presencial também oferece desvantagens para algumas pessoas, já que você tem hora para chegar e sair no curso e está em um espaço restrito - disse.

O técnico em laboratório Kevin Simão Abrunhosa cursa o 6º período da faculdade de Geografia e relatou que a opção foi escolhida exclusivamente por ser o único curso semipresencial oferecido na cidade.

- Minha vontade desde quando entrei no ensino médio era cursar geografia, mas em Petrópolis só tem semipresencial, quando vi que estava sendo oferecido resolvi cursar mesmo sendo a distância e segundo pela flexibilidade de horário devido ao trabalho. No começo é difícil, a quantidade de matérias é a mesma de uma faculdade presencial, provas e trabalhos são iguais, só que a desvantagem é que você tem que se virar mais sozinho, porém tendo disciplina, correr atrás, fazer pesquisas, mas com o tempo fui me adaptando - explicou.

Flexibilidade também foi uma das escolhas da auxiliar administrativo Ariana Almeida que trabalha e faz o 5º período da faculdade de administração.

- Primeiramente o que me atraiu foi o valor da mensalidade e depois a necessidade de não precisar ir à faculdade todos os dias, pois trabalho o dia todo e não conseguiria acompanhar as aulas, a distância posso ter acesso as aulas pelo computador e acabo estudando de casa no horário que posso, normalmente aos finais de semana. Como é bastante conteúdo, não dá para deixar acumular, às vezes me perco, mas num todo consigo me adaptar, o importante é manter uma organização - disse.

Mirian Siqueira de Lima é exemplo de que com dedicação e persistência qualquer um pode alcançar seus sonhos. Mesmo ainda não estando formada, a aluna de Ciências Contábeis foi contratada por um escritório de contabilidade.

- Optei por esse método por vários motivos  viabilidade, horário e na parte financeira fica mais acessível. Antes de começar pesquisei bastante, conversei com várias pessoas que também optaram pelo ensino EAD, e o certificado também é reconhecido pelo MEC. Fiquei feliz com esse método, não tenho dificuldade nenhuma, mas tudo depende do aluno se quer realmente aprender ou não. Estou cursando ciências contábeis, a faculdade disponibiliza vários materiais para auxiliar e nos incentivar a ir cada vez mais em busca de conhecimento e se tornar um profissional na área desejada, depois de cinco meses após o término do contrato pelo CIEE acabei sendo contratada - falou.

Apesar do valor das mensalidades ser relativamente inferior se comparado aos cursos presenciais. O estudante Adrian Ribeiro Carius Ferreira pensa em trancar a faculdade de Sistemas de Informação.

- Decidi pelo curso porque gosto da área de tecnologia e meu tempo para fazer presencial era muito apertado, estudo há dois anos e estou no 4º período. Não tive dificuldades, pelo contrário, achei muito prático o método de aprendizagem, o importante é ser bem compromissado com horários e ter uma boa internet. Por motivos financeiros trancarei durante um tempo, mas tenho a intenção de voltar futuramente - relatou.

 



Edição anterior (1400):
segunda-feira, 10 de setembro de 2018
Ed. 1400:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1400): segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Ed.1400:

Compartilhe:

Voltar:

Casando com Estilo








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior