Edição anterior (2528):
domingo, 10 de outubro de 2021
Ed. 2528:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2528): domingo, 10 de outubro de 2021

Ed.2528:

Compartilhe:

Voltar:


  Defesa Civil

Estações geotécnicas do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais darão suporte ao trabalho da Defesa Civil em Petrópolis

 

 

Foto: Divulgação Prefeitura de Petrópolis 2017

 

 

A Prefeitura de Petrópolis, por meio da Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias, segue com as medidas de preparação para o enfrentamento das chuvas de verão. Segundo o prefeito Hingo Hammes, a partir de cooperação técnica com o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden-BR), órgão ligado ao Ministério de Ciências, Tecnologia e Inovações, a cidade vai passar a contar com cinco estações geotécnicas para o monitoramento de umidade do solo.  As Plataformas de Coleta de Dados (PCD) vão ser instaladas em prédios públicos próximos a regiões classificadas pela Defesa Civil como sendo de risco na cidade.

Na última semana, técnicos da Defesa Civil acompanharam os geólogos do Cemaden-BR para o reconhecimento de áreas e identificação de pontos para possível instalação dos equipamentos, que contam com pluviômetros e sensores de umidade do solo. Cerca de 30 localidades foram avaliadas para o recebimento do sistema. “Essa é uma importante parceria, que vai contribuir diretamente para o trabalho da Defesa Civil municipal, frisou o prefeito Hingo Hammes. Essa estrutura tem muito a agregar na nossa rotina de trabalho, principalmente durante o verão”, destacou o secretário de Defesa Civil, o tenente coronel Gil Kempers.

A iniciativa faz parte do Projeto RedeGeo e vai contribuir para a obtenção de dados ainda mais exatos em situação de chuva forte, para a identificação de áreas que possam sofrer com deslizamentos em encostas urbanas. Os pluviômetros e sensores geotécnicos possibilitam fazer a relação entre a chuva e umidade do solo, permitindo o aprimoramento dos alertas. Além do avanço para o serviço de monitoramento, com os equipamentos, o município passará a ter um número maior de pluviômetros. Atualmente há 51 aparelhos de medição, dos quais 23 do próprio Cemaden-BR e os demais do INEA e Cemaden-RJ, espalhados em 20 localidades pelos cinco distritos.

As estações geotécnicas serão um suporte a mais para a Defesa Civil durante o período do verão, quando as chuvas impactam diretamente no funcionamento da cidade. “Esse sistema de monitoramento nos permitirá mais celeridade na tomada de decisão, o que pode impactar positivamente no trabalho preventivo nas comunidades de maior risco na cidade”, destacou o diretor técnico da Defesa Civil, Luiz Henrique Alves da Silva.

O trabalho trazido para Petrópolis pelo Cemaden-BR faz parte de uma rede de monitoramento de parâmetros ambientais que abrange localidades de todo o Brasil. O sistema é voltado para a avaliação de indicadores responsáveis por desastres, como os causados por inundações e deslizamentos.  O equipamento permite maior entendimento do impacto da chuva no solo, com maior compreensão dos fenômenos que provocam os deslizamentos e assim, é uma ferramenta a mais para a implantação de medidas de prevenção. 

“Todos esses equipamentos são instrumentos voltados para que possamos aumentar a capacidade de previsão e, por conseguinte, aumentar a qualidade dos alertas que mobilizam um protocolo operacional dentro das defesas civis. A meta deste trabalho é fazer a previsão com antecedência”, reforça o geólogo do Cemaden-BR, Mário Roberto Magalhães de Andrade, que retornará com as equipes para a definição dos locais que receberão as estações de monitoramento.



Edição anterior (2528):
domingo, 10 de outubro de 2021
Ed. 2528:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2528): domingo, 10 de outubro de 2021

Ed.2528:

Compartilhe:

Voltar: