Edição anterior (1883):
segunda-feira, 06 de janeiro de 2020
Ed. 1883:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1883): segunda-feira, 06 de janeiro de 2020

Ed.1883:

Compartilhe:

Voltar:


  Geral

 Estresse no trabalho: problema real e preocupante

Brasil registra índices de afastamento por excesso de estresse, dizem pesquisas

Wellington Daniel


 O excesso de estresse no trabalho já é real e preocupante no Brasil. De acordo com uma pesquisa da International Stress Management Association (ISMA-BR), de 2019, o Brasil é o segundo país com maior índice de estresse relacionado ao trabalho. Entre 2012 e 2016, transtornos mentais e comportamentais, como altos níveis de estresse, foram as principais causas de afastamento entre brasileiros, segundo o governo federal.

A psicóloga Raquel Martins (FOTO) explica que empresas e profissionais de psicologia estão começando a perceber os problemas causados pelo estresse. Devido a isso, novas políticas estão sendo adotadas em empresas.

- Muitas empresas hoje perceberam como isso afeta a saúde do trabalhador e se utilizam de alguns recursos para ajudar na questão do estresse. Algumas disponibilizam locais para que os funcionários possam ficar quando percebem que estão muitos cansados. Outras oferecem exercícios físicos no horário de almoço. Estas empresas sabem que o funcionário que está bem mentalmente e fisicamente produz mais e é mais eficiente em seu trabalho – explicou.

Ainda de acordo com a psicóloga, o problema atinge a produtividade do trabalhador. Além disso, como forma de evitar o ambiente estressante, muitos começam a faltar por repetidas vezes.

- Pessoas que tem muito estresse apresentam dificuldades em dar conta das tarefas. Quem sofre com o problema, também acabam explodindo, porque o estresse faz com que qualquer coisa te irrite e te deixe nervoso. É importante estar atento  esta questão. O estresse também causa um aumento de falta do trabalhador. Ele vai faltando, pois está ficando estressante e difícil estar naquele ambiente – explicou.

Síndrome de Burnout

Desde 2018, um assunto ganhou força nas redes sociais: a Síndrome de Burnout. Uma jornalista de TV foi diagnosticada com a doença e precisou se afastar do trabalho. O nome vem do inglês, “burn” que quer dizer “queimar” e “out”, que significa “exterior”.

Também chamada de Síndrome do Esgotamento Profissional, o distúrbio emocional pode apresentar sintomas como exaustão extrema, estresse e esgotamento físico. Segundo o Ministério da Saúde, ela é comum em profissionais que trabalham diariamente sob pressão e tendo responsabilidades constantes.

- O Burnout é o nível de estresse mais elevado. Estudos mostram que as pessoas mais suscetíveis para desenvolver a síndrome são trabalhadores altamente motivados, que reagem a este estresse laboral trabalhando mais ainda até entrar em colapso – explicou Raquel.

Evitando o estresse

Já a psicóloga e psicopedagoga Jéssica Wayand de Azevedo aponta dicas para amenizar o estresse no ambiente de trabalho. São pelo menos onze pontos principais, como organização, respeito aos limites do corpo e mente e a prática de atividades físicas.

- As dicas para amenizar o estresse no ambiente de trabalho são: organizar os horários, ter sempre uma agenda em mãos; evitar levar trabalho pra casa; não abrir mão do lazer; respeitar os limites do corpo e da mente; praticar  atividades físicas ou um esporte nas horas livres; o que não é urgente, deixar em segundo plano; não abrir mão dos horários de almoço, alimentar-se bem; adaptar seu local de trabalho para que seja um ambiente confortável para você; estar atento as suas horas de sono e a qualidade dele – explicou.

Além destas dicas, também são destacadas duas que são relacionadas à relação com os colegas de trabalho. Dentre elas, exercitar o diálogo sempre que possível.

- É importante exercitar o diálogo sempre que possível e quando não for possível, evitar discussões, retomando o assunto quando todos estiverem mais calmos. Também é aconselhado não se envolver em fofocas – concluiu Jéssica.

Principais sinais e sintomas da Síndrome de Bornout

·       Cansaço excessivo, físico e mental.

·       Dor de cabeça frequente.

·       Alterações no apetite.

·       Insônia.

·       Dificuldades de concentração.

·       Sentimentos de fracasso e insegurança.

·       Negatividade constante.

·       Sentimentos de derrota e desesperança.

·       Sentimentos de incompetência.

·       Alterações repentinas de humor.

·       Isolamento.

·       Fadiga.

·       Pressão alta.

·       Dores musculares.

·       Problemas gastrointestinais.

·       Alteração nos batimentos cardíacos.

Fonte: Ministério da Saúde



Edição anterior (1883):
segunda-feira, 06 de janeiro de 2020
Ed. 1883:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1883): segunda-feira, 06 de janeiro de 2020

Ed.1883:

Compartilhe:

Voltar:








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior