Edição anterior (1708):
segunda-feira, 15 de julho de 2019
Ed. 1708:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1708): segunda-feira, 15 de julho de 2019

Ed.1708:

Compartilhe:

Voltar:


  Tecnologia

Ferramenta permite descoberta de potencialidades no mercado de trabalho

Start-up tem banco de competências, que possibilita autoconhecimento e conexão entre profissionais

Philippe Fernandes

Um dos grandes problemas do Brasil, e também de Petrópolis, é a questão da empregabilidade. Além de o país estar saindo de um período de recessão econômica, há outro fator que gera um desencontro entre as empresas que precisam contratar funcionários, mas não encontram profissionais capacitados; e muitas pessoas que não sabem, mas têm competências e habilidades para preencher estas vagas. Pensando nisso, a startup petropolitana HumanaZ criou um banco de competências, para fazer esse link, gerando novas oportunidades e dinamizando a economia no município.

Em um cenário de alterações nas relações de trabalho, se reinventar e saber se posicionar é fundamental para conseguir sobreviver no mercado de trabalho. De acordo com o CEO da startup, Rodrigo Curcio, todas as pessoas dispõem de conhecimentos, habilidades e atitudes desde o primeiro contato com o ambiente externo, e é importante descobrir isso tudo para saber se posicionar.

- Isso é desenvolvido a vida toda para que a pessoa possa conquistar mais coisas, com emprego melhor, boas condições de salário, benefícios e qualidade de vida. No entanto, a gente precisa se capacitar e se preparar para isso. Por exemplo: nesta semana, falei com uma menina que quer uma oportunidade em engenharia e diz que não há disponibilidade, mas ela não pensa que com os seus conhecimentos, habilidades e atitudes, ela pode se encaixar em outras atividades. Não é porque você tem uma formação que deve ficar preso a ela para o resto da vida - afirmou Curcio.

O projeto utiliza a ferramenta Disc, que tem mais de 90 anos no mercado e que era aplicada apenas para executivos até aproximadamente três anos atrás, quando o método passou a ser aberto para que mais empresas pudessem utilizar o sistema.

Ele explicou que a ideia do banco de competências é dar um espaço para as pessoas se reinventarem, criando um espaço entre funcionários e empregadores, para que ambos tenham melhores resultados em empregabilidade.

- Através de suas competências, podemos potencializar caminhos e alternativas sobre como empreender as suas competências. É preciso ficar atento às mudanças que estão acontecendo no cenário global. E a tecnologia acelera esse processo - afirmou.



Edição anterior (1708):
segunda-feira, 15 de julho de 2019
Ed. 1708:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1708): segunda-feira, 15 de julho de 2019

Ed.1708:

Compartilhe:

Voltar:







Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior