Edição anterior (1456):
segunda-feira, 05 de novembro de 2018
Ed. 1456:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1456): segunda-feira, 05 de novembro de 2018

Ed.1456:

Compartilhe:

Voltar:


  Colunistas
Gilberto Pinheiro
COLUNISTA

 

 

É APENAS QUESTÃO DE PACIÊNCIA E PERSEVERANÇA

A causa protetiva dos animais chegará longe, mesmo com todos empecilhos e barreiras à frente. Vou devagar e sempre!

"Seja como os pássaros que ao pousarem sobre ramos leves sentem-nos ceder, mas, cantam. Eles sabem que têm asas." (Victor Hugo, poeta e romancista francês, séc.XIX)"
Ancorado nestas belas palavras, sigo meu caminho, mesmo lentamente, na certeza que atingirei os melhores objetivos. "A sabedoria enviou-me este recado"!.

Sabe-se que grande parte da sociedade não apenas brasileira mas, mundial, ainda desconhece os conceitos e descobertas à luz da neurociência sobre as incontestes capacidades de os animais terem consciência, sentimentos e emoções. O que estamos acostumados é lidar com os nossos pets em casa e percebermos o quanto eles nos observam.  Cientes disso, sabemos empiricamente que eles sentem como todos nós. Todavia, de 2012 para cá, há provas científicas e  podemos afirmar peremptoriamente que o comportamento animal advém de sua consciência.  Durante milênios entendeu-se diferentemente,como seres vivos limitados ou comparados a objetos de carne e osso, à disposição dos humanos para atender suas necessidades.  Apenas isso!


ELES MERECEM A NOSSA COMPAIXÃO E RESPEITO

 

Hoje, o conceito é diferente, em virtude dos estudos mais recentes  e contextualizados nas pesquisas neurocientíficas, fatos já abordados por mim neste jornal reiteradas vezes.  Todavia, é preciso insistir quando o assunto é novo, em virtude da dificuldade em propagar a verdade sobre eles, animais, porque não há interesse por parte de governantes, algo inexplicável, quando  sabemos que há leis que determinam tais ensinamentos nas escolas e, em grande parte, não há cumprimento das mesmas. Por analogia, é semelhante a professores ensinando  as mesmas disciplinas para seus alunos - uns são aprovados no final do ano; outros são reprovados, exigindo assim a repetição do ano letivo.  Por isso, insisto e sempre insistirei que a disciplina ( a senciência e direitos dos animais ) precisa ser rotina nas escolas b rasileiras e matéria propedêutica em todas universidades de nosso país. 


AVES NASCERAM PARA SER LIVRES E NÃO EM GAIOLAS

 

PEDIREI AUXÍLIO AO NOVO GOVERNADOR PARA QUE CONSTRUA UM SANTUÁRIO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 
Inclusive, agora, estou registrando em Cartório as minhas ideias. Apenas, precaução.

Atualmente, com a composição dos novos governos, no caso federal e estadual, em especial no Rio de Janeiro,  tentarei audiência com o governador eleito  Wilson Witzel ou sua assessoria para ajudar-me a tornar realidade as palestras educativas nas escolas públicas, reduto que não consigo entrar, fato que até hoje não compreendi.  Somente tenho acesso às escolas e faculdades particulares. É muito difícil hastearmos uma bandeira que traga consigo novas ideias, principalmente, na proteção dos animais.  Enquanto em países mais desenvolvidos tais estudos estão virando rotina, aqui,  tais ideias,  caminham a passos lentos e as conquistas ainda são muito incipientes.  Posso citar como exemplos dois casos que ratificam minhas palavras - o primeiro, aduz que o pesquisador e professor  Lori Morino, titular de Neurociência e Biologia Compor tamental, docente adjunto do Departamento de Psicologia do The Smitsoniam Institution e PhD - Universidade do Estado de New York em Albany, pesquisando a inteligência dos cetáceos e primatas comprova a senciência dos animais, conforme o já demonstrado  via estudos do eminente dr. Philip Low, docente da Universidade Stanford e sua laboriosa equipe de pesquisadores e neurocientistas.

O segundo exemplo está no contexto jurídico quando os animais são entendidos e descritos no Código Civil vigente no Brasil como "coisas" algo fungível e semoventes (têm movimentos próprios mas sem consciência).   E quando não possuem tutores, tornam-se sujeitos de apropriação de qualquer pessoa. Tal entendimento jurídico e dogmático está totalmente ultrapassado nos dias de hoje. É preciso reverter a situação contextualizada no pouco caso à vida animal, na segregação contumaz advinda de séculos passados e no inaceitável antropocentrismo.  Novos tempos chegaram e outra mensagem e entendimento estão aí para o conhecimento de todos.  Eu sou um um dos apologistas ou propagador da senciência e direitos dos animais em todo o Brasil através de artigos publicados e palestras em escola s, faculdades e fóruns e sei o quanto falta ainda para caminhar, levando em consideração as dificuldades naturais daquilo que é novo e difícil de ser implementado. Estamos avançando aos poucos  e tenho ciência que passo a passo, mesmo lentamente, chegaremos longe pela libertação dos animais no planeta em que vivemos. É questão de paciência e perseverança.  Vou em frente, pois abraço estas virtudes!     

PINGANDO  CONHECIMENTO
Estudos realizados na University of California, em Los Angeles,
classificaram os cacarejos das galinhas e determinaram que eles
têm  um repertório de aproximadamente 24 sons distintos e muitos deles
parecem específicos para certas situações. Estes referenciais mostram
que estas aves são cognitivamente mais sofisticadas que se acreditava.
Fonte: Revista Scientific American, março/2014

Gilberto Pinheiro é jornalista, palestrante
em escolas, faculdades sobre a senciência
e direitos dos animais
 Somos o coração, a alma, a voz dos animais



Edição anterior (1456):
segunda-feira, 05 de novembro de 2018
Ed. 1456:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1456): segunda-feira, 05 de novembro de 2018

Ed.1456:

Compartilhe:

Voltar:


Casando com Estilo








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior