Edição anterior (2162):
domingo, 11 de outubro de 2020
Ed. 2162:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2162): domingo, 11 de outubro de 2020

Ed.2162:

Compartilhe:

Voltar:


  Cidade

Grupo Assistencial SOS Vida corre risco de ficar sem sede

Thaciana Ferrante – especial para o Diário

 

O Grupo Assistencial SOS Vida pede ajuda da população para continuar atuando na cidade. Isso porque a instituição continua sofrendo com sérios problemas financeiros, e corre o risco de perder a sede onde funciona atualmente. Há 21 anos a unidade, sem fins lucrativos, presta assistência psicológica, alimentícia, entre outras, a pessoas portadoras do vírus HIVAIDS, dependentes químicas e também aos familiares de baixa renda.

De acordo com o psicólogo Antônio Carlos de Souza Pires, responsável técnico e presidente do SOS Vida, atualmente o grupo conta com 1.300 pessoas cadastradas nos diversos serviços oferecidos no espaço. Para continuar ajudando este público é necessária a doação mensal de ao menos R$ 100, feita por 15 pessoas. Desta forma a despesa do aluguel estaria garantida.

 “Precisamos urgente desta ajuda! Não é a primeira vez que passamos por isso. Atendemos muita gente e fazemos um trabalho sério há décadas na cidade. Espero conseguir manter isso, pois esta mobilização precisa ser ainda este mês porque vamos iniciar o pagamento do aluguel”, desabafou Antônio Carlos.

Quem quiser saber mais sobre a instituição, o SOS Vida fica na Rua Aureliano Coutinho, 56, Vila José Augusto Guerra Peixe, Centro.

Sobre o SOS Vida 

O Grupo Assistencial SOS VIDA fundado no dia 28 de março de 1998 por soropositivos HIVAIDS e amigos(as). É uma instituição sem fins lucrativos cujas atividades são financiadas através de doações da comunidade, empresas privadas, do Programa Nacional de DST e AIDS - MS, assim como de entidades religiosas.

A instituição atua junto às comunidades realizando palestras sobre prevenção de DSTHIVAIDS em empresas, escolas, instituições religiosas, associação de moradores. Participa também de campanhas do Programa Municipal de DSTHIVAIDS, oportunidade esta utilizada para informar a população sobre como conviver com portadores do vírus HIV, assim como, esclarecer os direitos de cidadania.

Os portadores de DSTHIVAIDS, dependentes químicos e os familiares contam com o amparo de profissionais de saúde vinculados à instituição que atendem gratuitamente em consultórios e clínicas. Neste quadro encontram-se médicos de diversas especialidades como, psicólogos, nutricionistas, assistentes sociais e estagiários de diversas outras áreas. Além disso, há distribuição de cestas básicas.

Os interessados em ajudar com doações podem fazer os depósitos na conta da Caixa Econômica Federal, agência 1651, conta poupança 341648-0, CNPJ 02.712.3430001-04, operação 013, poupança PJ.



Edição anterior (2162):
domingo, 11 de outubro de 2020
Ed. 2162:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2162): domingo, 11 de outubro de 2020

Ed.2162:

Compartilhe:

Voltar:








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior