Edição anterior (1845):
sexta-feira, 29 de novembro de 2019
Ed. 1845:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1845): sexta-feira, 29 de novembro de 2019

Ed.1845:

Compartilhe:

Voltar:


  Saúde

Impactos negativos que mudanças climáticas geram nas pessoas

Frente fria se aproxima e alérgicos são os mais prejudicados

Yasmim Grijó

Depois de um outono com o clima seco e oscilações na temperatura na Região Sudeste, a Primavera também está sendo marcada pelo mesmo sistema. De acordo com o Climatempo, uma frente fria se aproxima para este fim de semana. A mudança teve início ontem (28), com uma queda na temperatura, o dia ficou nublado e com pancadas de chuva em vários locais do município. A previsão para os próximos dias será mínima de 15°C e com 90% chance de chuva.

As mudanças bruscas de temperatura influenciam diretamente no organismo. Principalmente se a pessoa já for alérgica. As mais conhecidas e que atingem um grande número de pessoas são a rinopatia alérgica, a rinossinusite e a asma brônquica. Estas modificações auxiliam em doenças nas crianças e idosos com a imunidade baixa.

A virada de novembro para dezembro deve ser com muitas áreas de instabilidade sobre a Região. Com isso, o otorrinolaringologista e professor da FMP/Fase, Carlos Augusto Ferreira de Araújo, explica que o clima frio e seco, com baixa umidade do ar, influencia diretamente na saúde das pessoas, principalmente nas que sofrem de doenças respiratórias, pois a poeira, a poluição do ar e a mudança brusca de temperatura são fatores que desencadeiam as infecções.

- A rinopatia alérgica, mais conhecida popularmente como rinite é uma infecção das vias aéreas superiores, é a inflamação da mucosa do nariz, apresentando a obstrução nasal, coriza e coceira, sintomas iniciais muito semelhantes ao de uma gripe ou resfriado – disse.

O médico conta que muitas pessoas confundem os sintomas iniciais de uma rinopatia alérgica com os de uma gripe, porque ela dá obstrução nasal, coriza, coceira intensa no nariz e lacrimejamento. E o paciente muito advertidamente começa a tomar remédios com uso para processo gripal, e na verdade não é.

- Se depois de três ou quatro dias não for resolvido como gripe, é preciso procurar um especialista, nesse caso um otorrinolaringologista, que saberá melhor diagnosticar o caso. Quando essa infecção atinge os seios da face, que são quatro pares, já é uma rinossinusite. Para que ela ocorra, tem que haver previamente uma rinite – frisa.

Carlos Augusto diz que a pessoa pode ter só uma rinite, que tem como sintoma aquele nariz escorrendo ou entupido, e pode haver a rinossinusite que ocorre quando essa infecção atinge os seios da face, ou seja, a rinossinusite é o agravamento da rinite.

 O especialista esclarece que alergia é um fator de ordem genética, ou seja, se um dos pais ou os dois tiverem doenças respiratórias, são grandes as chances dos filhos também terem. Porém, se o indivíduo não frequentar um meio ambiente adverso, um local que tenha muita poeira e principalmente mofo, pode passar sua vida inteira sem ter nenhuma crise de asma ou rinite. As condições adversas são totalmente responsáveis por esse processo.

- Remédio para isso é, em primeiro lugar a ingestão de muita água em temperatura ambiente. Devido a umidade, o mofo que praticamente domina o interior dos armários, as roupas que a pessoa tem guardada por dois os três meses devem ser lavadas antes de serem usadas para tirar o cheiro de guardado, que é uma contaminação pelo ácaro. Caso contrário, isso acaba desencadeando os problemas respiratórios – ressalta.

O otorrinolaringologista explica que as pessoas que possuem problemas respiratórios e alérgicos, nesta época do ano devem ficar atentas aos sintomas. Um paciente pode ter problemas em um ano e talvez não tenha no seguinte. O choque térmico que acontece devido as oscilações de temperatura é a pior coisa para o paciente que tem doenças respiratórias de fundo alérgico, e isso é o que mais acontece no outono e no inverno.

- A mudança de clima, afeta a maioria dos pacientes que chegam ao consultório nos dizendo que quando o clima muda, ele muda junto. Realmente, tem que evitar banhos muito quentes e logo sair na friagem, porque esse choque térmico piora muito o quadro de pacientes com problemas respiratórios. Os remédios e sprays nasais ajudam no momento de crises, muitas vezes o paciente estando em um 'otorrino' já sabe que a medicação prescrita irá fazer com que ele fique bem rapidamente. Se for o caso de um paciente muito alérgico que piora drasticamente nessa época do ano, ele deve ter um acompanhamento de um otorrino que saberá fazer exames endoscópicos que hoje em dia são bastante sofisticados – finalizou.



Edição anterior (1845):
sexta-feira, 29 de novembro de 2019
Ed. 1845:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1845): sexta-feira, 29 de novembro de 2019

Ed.1845:

Compartilhe:

Voltar:







Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior