Edição anterior (1644):
domingo, 12 de maio de 2019
Ed. 1644:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1644): domingo, 12 de maio de 2019

Ed.1644:

Compartilhe:

Voltar:


  Colunistas
José Luiz Alquéres
COLUNISTA

 

 

O ABADE CORREIA DA SERRA

Ao nos debruçamos sobre o estudo da história e procuramos reconstituir o ambiente do passado, é interessante mapearmos relações entre algumas personalidades notáveis.

Temos trazido neste espaço alguns nomes que nossos livros de História não destacam, mas que tiveram importância no processo de construção do Brasil. Vale lembrar hoje do abade José Francisco Correia da Serra. Nascido em 1750, portanto tendo crescido no ambiente de valorização da ciência promovido pelo Marquês de Pombal, Correia da Serra se destacou no estudo da botânica e na diplomacia. Representou Portugal na Inglaterra, na França e, depois, nos Estados Unidos.

Foi membro da Royal Society e amigo de seu presidente o notabilíssimo botânico, cientista e antropólogo Joseph Banks. Foi também fundador da Academia de Ciências de Lisboa, da qual foi secretário. Neste posto teve como sucessor um brasileiro que já mencionamos aqui anteriormente, José Bonifácio. Este, embora não tenha se distinguido como cientista, foi um admirável criador ou incentivador de instituições políticas e culturais.

Thomas Jefferson, cultivado como o mais brilhante americano de todos os tempos, considerava Correia da Serra o homem mais erudito que conhecia. Serra era uma visita frequente e apreciada em Monticello, residência de Jefferson.

Em suas visitas ao político americano, muito se discutiu a elaboração do conceito “A América para os Americanos”. James Monroe, fazendeiro vizinho de Jefferson participava dessas conversas e depois veio a ser Presidente dos Estados Unidos. O tema tão discutido entre os amigos virou política real e ganhou a denominação de “Doutrina Monroe”. A doutrina fortaleceu a independência da América Latina em relação à Europa.

O reconhecimento da genialidade de Jefferson, e, por tabela, a do Abade Correia da Serra, pode se inferir das palavras de John Kennedy ao receber na Casa Branca todos os americanos vivos detentores do Prêmio Nobel: “Meus amigos nunca essa casa abrigou tanto conhecimento como nesta noite, exceto no período onde, mesmo sozinho, aqui habitou Thomas Jefferson”. Aliás, assim como Jefferson, o Presidente Kennedy também promoveu o desenvolvimento científico e cultural com verbas para pesquisa que recolocaram os Estados Unidos na liderança no campo espacial e vários outros.

Kennedy, Jefferson, Correia da Serra e José Bonifácio são nomes que devem nos inspirar neste momento especial do Brasil.



Edição anterior (1644):
domingo, 12 de maio de 2019
Ed. 1644:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1644): domingo, 12 de maio de 2019

Ed.1644:

Compartilhe:

Voltar:


Casando com Estilo








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior