Edição anterior (1672):
domingo, 09 de junho de 2019
Ed. 1672:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1672): domingo, 09 de junho de 2019

Ed.1672:

Compartilhe:

Voltar:


  Colunistas
José Luiz Alquéres
COLUNISTA

 

 Pedro I

Pedro I  do Brasil,  um príncipe português, proclamou a independência do Brasil em 1822 - tinha na época 23 anos -  sendo Imperador deste ano até 1831, quando abdicou em favor de seu filho .

Foi também Rei de Portugal - D Pedro IV -por um breve período em 1826 quando abdicou em favor de sua filha.

Em ambos os países outorgou cartas constitucionais , uma grande novidade pois a tradição ibérica sempre foi absolutista.

Daqui a dois anos e meio estaremos entrando no ano do nosso bicentenário como país independente,  com esta marcante figura pouquíssimo conhecida.

Alguns pontos marcantes da sua vida:

- chega ao Brasil aos 10 anos de idade

- ama a vida e as pessoas desta terra, como aliás seu pai D João também . Já sua mãe Carlota Joaquina, espanhola de nascimento, absolutista de coração e de atitudes e moral deploráveis ,  sempre desqualificou  o país , o marido e este filho

- seu primeiro casamento foi com Leopoldina uma das filhas do Imperador da Áustria . Foi assim genro de outro grande absolutista embora cunhado de Napoleão Bonaparte -  casado com Maria Luisa irmã de Leopoldina - alcunhado de   “ O Anticristo” nestes círculos da mãe e do sogro

- embora tenha sido muito popular nos primeiros anos do seu reinado no Brasil acabou sem grande apoio popular , os brasileiros acusando-o de só pensar em Portugal e os portugueses o contrário 

- grande frequentador da serra comprou a fazenda onde mais tarde se constriiu a cidade de Petrópolis . Seu plano era  lá construir o Palácio da Concórdia , ele que passou este início de vida independente do país a evitar o fracionamento do império e o entendimento entre as províncias , todas a aspirar serem independentes como viam ocorrer no resto da América. Graças a sua visão imperial somos este grande país .

- olhando friamente foi um negociador institucional admirável e corajoso: lutou contra o pai no episódio da independência , contra a mãe que resolveu apoiar o irmão de Pedro D Miguel na sua pretensão ao trono português , contra as cortes portuguesas que haviam ordenado sua volta a Portugal e contra a Assembleia Brasileira que dissolveu e em sequência ele mesmo redigiu a nossa Constituição ( a de mais longa duração que tivemos). Lembremos que tinha apenas 26 anos nesta época 

- Leopoldina faleceu muito cedo deixando varias filhas pequenas e um menino, o futuro Pedro II. Foi muito amada por Pedro e por todos brasileiros e seu nome se perpetua na nossa memória de varias formas 

- Sua segunda imperatriz D Amélia era descendente de princesa alemã ( na época a Alemanha ainda não unificada) e de aparentado de Napoleão Bonaparte. Tiveram uma filha, eram felizes mas estiveram casados por 5 anos , até a morte prematura de Pedro com 36 anos de idade

- Pedro I teve uma vida amorosa agitada e para citar apenas algumas de suas relações com quem teve filhos - reconhecidos e muito amados- podemos lembrar uma jovem atriz de teatro, a irmã de Domitila, Domitila- depois marquesa de Santos, uma freira em Açores quando preparava a invasão de Portugal,  dentre outras mais.

- foi vitima do que hoje chamaríamos fake-news numa escala nunca vista, na época explorada via cartas forjadas , artigos de jornal mentiroso, mexericos e intrigas a granel   ; a imprensa recém instalado no Brasil estava a serviço  de diferentes facções políticas e tornava impossível uma evolução política harmoniosa

- quando retornou a Europa viveu algum tempo em Paris onde nasceu sua filha com D. Amélia batizada em Paris , sendo padrinho Luiz Felipe de Orleães - Rei da França. Um dos netos  de Luiz Felipe , viria a se casar com a Princesa Isabel( neta de Pedro I)  dando origem â família Orleães e Bragança, nossa casa imperial

- em seguida Pedro I sai do exílio em Paris,na qualidade de Regente em nome da filha  junta-se a expatriados portugueses constitucionalistas, jura a  Constituição , invade Portugal, toma a cidade do Porto onde resiste a cerco pelas tropas do irmão . Após derrota-las marcha para o sul, conquista Lisboa mas falece pouco depois, já com sua filha devidamente no trono e o irmão Miguel definitivamente exilado na Áustria .

 Pedro I é um fenômeno político sendo impressionante sua obra política , sua correção como administrador , seu senso estratégico tudo isso junto à talentos musicais, jurídicos , administrativos  e enorme resistência física .

O Brasil tem uma dívida histórica de reconhecer seus méritos. Seus defeitos tem sido apregoados . Suas qualidades , muito maiores, merecem ser realçadas neste bicentenário . 



Edição anterior (1672):
domingo, 09 de junho de 2019
Ed. 1672:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1672): domingo, 09 de junho de 2019

Ed.1672:

Compartilhe:

Voltar:








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior