Edição anterior (1729):
segunda-feira, 05 de agosto de 2019
Ed. 1729:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1729): segunda-feira, 05 de agosto de 2019

Ed.1729:

Compartilhe:

Voltar:


  Colunistas
José Luiz Alquéres
COLUNISTA

 

As mulheres, a democracia e a vida pública 


Fala-se muito no direito das minorias e na menor expressão das mulheres na vida política, econômica e social no nosso país. É algo que graças a grandes lideranças vem sendo revertido ao longo dos últimos 100 anos,  como temos visto nesta série de artigos,

Fazem 100 anos apenas que as sufragettes inglesas conseguiram o voto feminino ( inclusive com a auto imolação de uma delas sob as patas do cavalo de propriedade do rei da Inglaterra) e a partir daí o movimento se propagou pelo mundo ocidental . 

Em seguida as mulheres foram conquistando  o direito de exercer todas as profissões , participar em postos de chefia etc.

Já na antiga Grécia uma peça de teatro celebrava os extremos  a que as mulheres chegaram - uma greve geral de sexo - para que os homens abrissem a cabeça para entender seus pontos de vista.

Na década de 60 , no Brasil, um grande movimento inspirado no ativismo religioso e filantrópico de associações femininas teve destacado papel nos embates políticos .

A “ campanha da mulher pela democracia “ , além de varias manifestações pelo Brasil afora, levou a impressionante quantidade de um milhão de pessoas nas ruas para uma passeata que celebrou a vitória do golpe militar contra um governo desastroso. Sob o lema “ Todos com Deus pela Família e Liberdade” as mulheres marcharam, quase à guisa de uma procissão, com rosarios nas mãos. 

Não queriam postos políticos , não queriam empregos nem  benefícios pessoais . 

Escolheram esta forma de luta para deixar claro , pacificamente , sem depredações , black-bloks ou arruaças o que acreditavam e queriam para o Brasil .

Foram eficazes e eficientes . O Governo caiu de podre, sem vítimas e sem sangue. Com derrotados e frustrados que partiram para exílios no Uruguai, USA e Paris. Nada mal...no apanhar das coisas.

O governo que subiu integrou o Brasil em redes de estradas, comunicações , energia. Profissionalizou a busca pelo desenvolvimento sonho que remontava aos republicanos positivistas . E deu espaço às mulheres como a primeira ministra que tivemos , Esther de Figueiredo Ferraz, Ministra da Educação.

É um capítulo importante na história das conquistas femininas, frequentemente “esquecido” por razões políticas .



Edição anterior (1729):
segunda-feira, 05 de agosto de 2019
Ed. 1729:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1729): segunda-feira, 05 de agosto de 2019

Ed.1729:

Compartilhe:

Voltar:








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior