Edição anterior (1770):
domingo, 15 de setembro de 2019
Ed. 1770:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1770): domingo, 15 de setembro de 2019

Ed.1770:

Compartilhe:

Voltar:


  Colunistas
José Luiz Alquéres
COLUNISTA

 

 RUY  BARBOSA

É rara a cidade maior no Brasil que não tenha uma rua ou praça de nome Ruy Barbosa.

Há 60 anos atrás qualquer aluno do ensino médio saberia dizer porque. Hoje, constatei, a maioria não tem a menor ideia.

A culpa, ou a razão , desta ignorância não se deve a eles e sim a nós que deixamos o sistema de ensino ignorar vidas e episódios exemplares da nossa história, pasteurizando o conteúdo das matérias, questionando em nome do politicamente correto várias atitudes ou mesmo “ varrendo para baixo do tapete” coisas que gostaríamos que não houvessem ocorrido.

Assim formamos pessoas ignorantes e cépticas em relação ao nosso futuro, pois a história do Brasil é um relato de superação de enormes dificuldades, que vai permitindo formar esta grande civilização tropical.

Ruy Barbosa foi um desses construtores da nação, com seus acertos e erros no período final do Império e primeiras décadas da república.

Aluno absolutamente brilhante iniciou seus estudos no norte mas depois se formou pela grande Escola de Direito do Largo de São Francisco, em São Paulo.

Muito cedo dividiu seus interesses na sua banca de advogado com a política onde se revelou um dos mais notáveis oradores da nossa história.

A República o faz Ministro da Fazenda, posição que não se sai bem. Favorece a visão ultra liberal de emissão de moeda e de papéis financeiros que provoca o total descontrole das contas públicas.

Volta-se então para atividades acadêmicas, filologia, ensino de Direito e diplomacia.
É um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras.

 Representa o Brasil na Conferência de Haia onde foi consagrado o princípio de igualdade e soberania dos países, mesmo que desigualmente ricos, populosos ou extensos. Por extensão é o princípio que vê o mundo como responsabilidade conjunta de todos.

Candidata-se varias vezes à Presidência da República mas não consegue se eleger. Na república velha é uma voz contra a presença dos militares na política.

Uma de suas frases icônicas e atual é: “De tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantar-se o poder nas mãos dos maus, o homem chega a rir-se da honra, ter vergonha da justiça e desanimar-se de ser honesto”.

Frase dura mas lamentavelmente de muita oportunidade ser lembrada para que lutemos pelos valores eternos legados  pelos fundadores da nossa nação . Para isso estudar e conhecer a nossa história e a história de nossos grandes homens - nos seus acertos e erros, repito- é essencial.

Sua residência no Rio de Janeiro  hoje é um Museu e Centro de Pesquisas.



Edição anterior (1770):
domingo, 15 de setembro de 2019
Ed. 1770:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1770): domingo, 15 de setembro de 2019

Ed.1770:

Compartilhe:

Voltar:








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior