Edição anterior (2057):
domingo, 28 de junho de 2020
Ed. 2057:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2057): domingo, 28 de junho de 2020

Ed.2057:

Compartilhe:

Voltar:


  Colunistas
José Luiz Alquéres
COLUNISTA

 

 

O homem de ciência - Boyle

Já vimos como pensadores como Francis Bacon e Descartes liberaram as mentes de preconceitos e estimularam abordagens metodológicas diferentes, metodo indutivo e método dedutivo,  para que os homens encontrassem explicações para as coisas da natureza. Essas explicações, naqueles primórdios do desenvolvimento, frequentemente envolviam a capacidade de construir instrumentos que permitissem observar e medir os fenômenos. Não é por outra razão que os astrônomos no final do século XVI constituem-se no primeiro corpo de cientistas. Estabelecidos em observatórios em diversos países, muitos deles criados por reis preocupados em eventuais consequências astrológicas do alinhamento dos astros, eles estabeleceram o padrão da atividade científica,  trocando informações sobre suas observações, construindo seus telescópios rudimentares, aperfeiçoando seus cálculos de órbitas e movimentos dos planetas , sendo grande matemáticos.

Um vento de interesse na ciência varreu os meios cultos da Europa na sequencia desses pioneiros.  Na  Europa e especialmente na Inglaterra surgiram grandes cientistas - estudiosos dos fenômenos do mundo natural. Um dos que mais se destacou, nascido de uma rica família irlandesa, foi Robert Boyle ( 1627-1691) que fez seus estudos em Eton e depois na Europa Continental. 

Na época já o instrumento oposto do telescópio. o  microscópio começava a ser utilizado fazendo o homem descobrir "corpúsculos",  que foram denominados células (embora não as fossem) denominação que se manteve. Boyle logo que teve seus laboratórios construídos na volta da Europa, contratou um jovem cientista e habilíssimo construtor de instrumentos científicos, Robert Hooke ( 1635- 1702)  , cuja parceria rendeu grandes frutos. Hooke  com base em um microscópio rudimentar, publicou em 1665 um livro denominado Micrografia, mostrando imagens ampliadas de insetos e e vegetais, contribuindo para decifrar aspectos da estrutura dos seres vivos até então ignorados..

Uma das famosas experiencias de Boyle foi a demonstração  que destruiu a teoria de Aristóteles, velha de 2.000 anos e ainda acreditada, da composição de toda matéria da natureza derivar da combinação, em proporções variadas, dos quatro elementos ( ar, agua, terra e fogo). A partir de experiencias simples, queimando diferentes gravetos e analisando os resíduos, Boyle  demonstrou a diversidade de composição entre cinzas, gases , agua e chamas . 

Emendou este estudos com vários outros,  utilizando bombas de extração de ar, criando vácuo e fazendo observações sobre temperatura e volume do gases. A formulação de algo tão simples como a lei que veio a tomar seu nome:  "sob pressão os  gases reduzem de volume ,e existe uma constante no binômio  produto da temperatura de um gás por seu volume  ( um evoluindo na razão inversa do outro ou seja quanto maior a pressão, menor o volume)  causaram grande impacto.  Boyle aperfeiçoou um termômetro, a partir do instrumento inventado por Galileu,  para as medidas ligadas a este fim. Essa descoberta permitiu décadas depois, o desenvolvimento das máquinas a vapor onde caldeiras aquecem o ar  e água,  que se expandem e movem motores. 

Boyle frequentou um circulo de cientistas em Oxford na década de 1660 mas mudou-se para Londres em 1668 , onde em 1662 havia sido criada,  com a sua participação, a Royal Society . Esta foi  a primeira grande sociedade científica cujos membros irão definitivamente explicar de forma aperfeiçoada o mundo e suas condições naturais, a partir de métodos científicos, reportando suas descobertas na sua revista científica, a mais antiga no gênero apenas  precedida de poucos meses por uma similar revista francesa, de menor expressão. 

Boyle levou Hooke a ser contratado pela Royal Society onde a cada reunião ele apresentava algum experimento novo, com base nos instrumentos que ia criando para medir a velocidade do som, a composição de algum material etc. A ciência era matéria de curiosidade embora Boyle, leitor apaixonado de Francis Bacon e da importância de haver método na ciência, tivesse horror à vulgarização da ciência que combatia ferozmente,

Seu campo de investigação incluiu a medicina, formulando hipóteses sobre a transformação do sangue venoso em arterial que atribuía a uma espécie de combustão ocorrida nos pulmões, a partir da compressão do ar aspirado. 

Seu nome ficou conhecido  pela lei que tomou seu nome ( Lei de Boyle  ou Lei de Boyle - Mariotte porque este francês tambám disputa a autoria da descoberta) mas sua contribuição foi muito mais significativa do que algo que hoje parece o óbvio dos óbvios. Naquela época sequer se admitia a existência do vácuo ( conforme Descartes, cuja obra Boyle estudou profundamente) .  Claramente era uma época onde nos círculos científicos se disputavam as glórias de descobertas. Boyle, por sinal, isolou os elementos químicos  Enxôfre, o Hidrogênio e o Fósforo , dentre muitas outras contribuições.

A propósito ainda lembro a paixão que, menino, disputávamos com americanos quem inventou o avião se Wrighty ou Santos Dumont. Hoje, lamento a ciência ter se afastado dos meninos brasileiros, vitimas de um perverso sistema educacional.

Boyle faleceu relativamente cedo aos 64 anos. na ultima década daquele século XVII,  onde pode assistir o enorme desenvolvimento da ciência, uma época de verdadeira transição  da  ignorãncia e sombras para um tipo de mundo mais semelhante ao nosso, onde o homem não deixa de buscar explicações e criar inovações,



Edição anterior (2057):
domingo, 28 de junho de 2020
Ed. 2057:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2057): domingo, 28 de junho de 2020

Ed.2057:

Compartilhe:

Voltar:








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior