Edição anterior (2132):
sexta-feira, 11 de setembro de 2020
Ed. 2132:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2132): sexta-feira, 11 de setembro de 2020

Ed.2132:

Compartilhe:

Voltar:


  Pré-candidatos a prefeito

Propostas para a próxima administração municipal

 

O Diário de Petrópolis abre espaço para que os pré-candidatos a prefeito apresentem suas propostas para a próxima gestão do município. Foram elaboradas perguntas pela redação do jornal e pelos colaboradores Ronaldo Fiani (economista), José Luiz Alqueres (empresário) e Aristóteles Drummond (jornalista). As publicações serão feitas por ordem alfabética dos participantes. A pré-candidata que responde hoje é Lívia Miranda (PCdoB).

Diário de Petrópolis - A Pandemia de covid-19 atingiu em cheio a economia no Brasil e no mundo. Já nos primeiros meses de pandemia a prefeitura registrava uma queda na arrecadação.  Neste contexto qual será sua estratégia para recuperar as perdas na arrecadação do município?

Lívia Miranda - Nossa proposta é de diálogo para reorganização das cadeias produtivas da cidade, bem como desenvolver o potencial tecnológico, educacional, cultural, turístico entre outros. O nosso Programa Emprego na Comunidade visa valorizar cultura local, gerar emprego, distribuir renda com equidade entre mulheres e homens, desenvolver sustentavelmente as comunidades e os distritos. É fundamental entender que a Administração Pública tem a função de redistribuir os recursos que recebe e deixar legado que melhore a qualidade de vida das pessoas. Também é necessária a realização de concurso público, assim como remuneração justa para os/as servidores/as municipais. Isso funciona como um ciclo virtuoso que tem impacto direto na arrecadação.

 DP - Como estabilizar a economia do município em um cenário em que a maior parte das empresas enfrenta problemas financeiros e encontra na burocracia um entrave para a recuperação financeira?

LM - Propomos como alternativa que a prefeitura articule junto às instituições financeiras empréstimos com juros baixos, maior prazo de carência, ou seja, maior prazo para início da quitação do empréstimo, oferecendo maior tempo para que as empresas possam se organizar. Para as empresas geridas por mulheres, além da articulação para financiamento diferenciado, propomos organizar uma rede de apoio para desenvolvimento de ações que fortaleça seus negócios. A contrapartida disso será a manutenção dos empregos, com a vinculação de compra de material e insumos de produção local. Outro ponto fundamental é o incentivo à produção dos pequenos produtores rurais. Isso representa movimentação de toda cadeia de produção com geração de emprego e distribuição de renda. Temos certeza de que a prefeitura deve liderar o enfrentamento da crise financeira e econômica do município que se agravou com a pandemia.

DP - Um dos reflexos diretos da crise econômica foi a perda de postos de trabalho, como promover a recolocação dos petropolitanos no mercado de trabalho?

LM - Temos uma proposta chamada Programa Emprego na Comunidade, por exemplo, através das obras da construção civil a serem realizadas nas comunidades, pelas quais é possível gerar emprego para os (as) trabalhadores (as) da localidade. Os trabalhadores e trabalhadoras podem se organizar na forma de cooperativa e realizar as obras estruturais nas suas comunidades com o suporte técnico da prefeitura. Além do legado deixado pelas obras, isso gera emprego, distribui renda, aumenta a sensação de pertencimento, mas também movimenta o comércio local e a área dos serviços. A certeza que temos é de que a prefeitura deve investir para garantir o desenvolvimento da cidade de maneira ecológica e sustentável, por isso é necessário estimular, além de grandes empresas virem para Petrópolis, o nosso potencial criativo e tecnológico, para que reverta em empregos e renda para nossa cidade.

DP - Um dos setores mais impactados pela pandemia é o turismo -  setor que  é um dos pilares da economia de Petrópolis. Como recuperar as perdas e potencializar o crescimento do setor?

LM - Destaco que o turismo deve mudar após a pandemia e, certamente, teremos muitos turistas vindo de cidades próximas para Petrópolis. Assim, é urgente diversificar nossas possibilidades com investimento no turismo ecológico e de aventura. Para isso, será necessário planejamento articulado em sincronia entre as diversas secretarias, para que, na alta e na baixa temporadas, a cidade seja uma alternativa. Este planejamento deverá contar com implementação de infraestrutura nas trilhas e cachoeiras; apoio à hotelaria (convencional e alternativa) nos bairros com atrativos naturais; formação de guias de ecoturismo e meio ambiente, entre outras ações. Propomos também um calendário de eventos, criação de roteiros turísticos pelos diversos distritos, atrações noturnas para incentivar que os turistas durmam na cidade. Isso inclui incrementar a rede de bares e restaurantes, festas, teatros e atividades turísticas após 19h.

Perguntas de nossos colaboradores

Ronaldo Fiani - economista

Petrópolis possui um importante polo de inovação. Que medidas pretende adotar no seu governo para incentivar as empresas de tecnologia de ponta na cidade?  As cidades vêm cada vez mais adotando tecnologias inteligentes para melhorar os serviços públicos. Se eleito, o que pretende fazer a respeito?

LM - Petrópolis é um polo tecnológico, porém muito mal aproveitado nos últimos anos. Nossa proposta é firmar parcerias com as universidades públicas e privadas instaladas na cidade, bem como com o LNCC e o IFF. O objetivo dessas parcerias é garantir que soluções tecnológicas, pesquisas científicas e formação profissional possam contemplar as urgências e contribuir para o planejamento de desenvolvimento a longo prazo da cidade. Temos diversos problemas, como na mobilidade, no tratamento dos resíduos sólidos, no saneamento básico, na segurança pública, na habitação etc. No entanto, também temos potencial para solucionar esses problemas, cabe à prefeitura ser esse elo que dá estrutura para a garantia da qualidade de vida das pessoas.

José Luiz Alqueres - empresário

Um ponto muito importante para uma cidade dar uma virada para melhor é a participação cívica da população. Ela só se viabiliza se o prefeito realmente todo mês criar um encontro aberto com as representações de bairros e distritos e começar a reunião dando satisfações a pontos levantados e não respondidos da reunião precedente. O senhor se compromete a fazer reuniões desse gênero no seu mandato?

LM - A nossa defesa é pela política participativa. Isso significa aumentar a participação da sociedade civil em todos os conselhos municipais, criar conselhos comunitários e implantar o orçamento participativo. Envolver toda a sociedade na discussão de para onde destinar o dinheiro público e quais as prioridades. Nossa proposta está expressa na composição da chapa de pré-candidatos e pré-candidatas à Câmara, nas nossas discussões de programa e na nossa caminhada de pré-candidatura. Tudo se dá de maneira transparente, honesta e coletiva. Inclusive, a nossa chapa para a Câmara de vereadores é formada na totalidade por trabalhadores e trabalhadoras. É assim que o Movimento Comuns se coloca na política, trazendo pessoas comuns, trabalhadoras (es), negros e negras para ocuparem seus lugares de direito.

Aristóteles Drummond - jornalista

Qual o seu projeto para desafogar o trânsito  entre Bonsucesso e a Ponte 31 de Março, em Itaipava, congestionado quase todo o dia e impossível  nas sextas-feiras?  Qual a politica para a população de rua, que hoje chega aos distritos?

LM - Sabemos que os engarrafamentos em algumas localidades acontecem por conta do enorme quantitativo de carros acessando a mesma via, para isso é possível implantar soluções com apoio tecnológico para informar, por exemplo, melhores horários para acessar e o fluxo do local. No que tange à política para atendimento à população em situação de rua, é importante frisar que não podemos atribuir esse problema a outros municípios. Petrópolis tem a sua própria população em situação de rua. Normalmente, são pessoas que foram expulsas de casa ou que ficaram desempregadas, entre outros fatores. É necessário dar condições a estas pessoas de viver com dignidade. Por isso, as ações devem ser articuladas pela secretaria de Assistência Social para que retomem os laços familiares e retornem a seus lares, consigam se estruturar em relação ao emprego, pois muitas destas pessoas têm profissão.



Edição anterior (2132):
sexta-feira, 11 de setembro de 2020
Ed. 2132:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2132): sexta-feira, 11 de setembro de 2020

Ed.2132:

Compartilhe:

Voltar:







Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior