Edição anterior (1732):
quinta-feira, 08 de agosto de 2019
Ed. 1732:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1732): quinta-feira, 08 de agosto de 2019

Ed.1732:

Compartilhe:

Voltar:


  Geral

Mitos e verdades sobre depilação com cera

Causa flacidez? É muito dolorido? Especialista do Instituto Pello Menos esclarece dúvidas sobre o procedimento

 

Da primavera ao inverno, seja qual for a estação do ano é essencial que a depilação esteja em dia. Mesmo com inúmeros novos métodos de depilação surgindo no mercado, a remoção de pelos a cera continua sendo autoridade no setor. Isso porque entre todos os procedimentos existentes, a cera é o que mais gera benefícios. Mesmo após anos de existência o método está cercado de mitos e verdades e, para que os amantes de uma pele lisinha entendam o que está em volta da prática, a especialista no assunto e fundadora e CEO da rede Pello Menos, Regina Jordão, listou alguns:

  • Depilar áreas do rosto como buço pode causar flacidez?
    MITO!A flacidez é causada pelo enfraquecimento das fibras de colágeno e também pela exposição excessiva ao sol, consumo de álcool, cigarro e alimentação incorreta. A cera é aplicada na primeira camada e, portanto, não penetra na pele. “A flacidez pode acontecer somente se a pessoa optar por depilar essas áreas mais sensíveis toda semana, o que não é recomendado. O ideal é que se tenha um intervalo de 20 a 30 dias” comenta Regina.
  • Sem espinhas:
    VERDADE! Depilação à cera não causa espinhas na pele. Pode ser que a pessoa veja algumas bolinhas vermelhas na região depilada, e o nome disso é foliculite. Esse problema é causado pelo entupimento do poro após o procedimento. Para evitar a pele deve ser bem higienizada.
  • Pessoas com alergias devem evitar o procedimento?
    MITO!Pessoas alérgicas à depilação a cera devem se consultar com seu dermatologista antes do procedimento. Isso porque em muitas versões dos produtos podem conter aditivos químicos. “O ideal é buscar ceras sem misturas” reforça a CEO da rede.
  • Aplicar desodorante após o procedimento faz mal?
    VERDADE!“É muito importante que os desodorantes com álcool sejam evitados logo após a depilação. Isso porque podem causar uma reação alérgica na pele, o que não é o resultado esperado por quem se depila. Recomendamos aos nossos clientes que utilizem desodorantes inodoros que têm menos química na composição” afirma Regina.
  • O procedimento pode romper vasos e causar varizes?
    MITO! A cera é aplicada na primeira camada da pele e por isso não atinge veias e microvasos que ficam localizados em uma área bem mais aprofundada.
  • Depilação com cera quente é menos dolorida?
    VERDADE!A cera quente relaxa a pele enquanto dilata os poros, o que facilita a retirada do pelo e causa menos dor. “Para que haja um conforto ainda maior em quem está se depilando é necessário ainda utilizar técnicas corretas e saber que quem está fazendo o procedimento é um profissional capacitado” afirma a especialista.
  • Pode causar Manchas na pele:
    VERDADE!Se a pessoa não seguir as recomendações do profissional, a pele pode ficar manchada após o procedimento sim! Após a depilação a pele fica mais sensível pois perde parte da sua proteção natural durante a retirada dos pelos. Por este motivo, em áreas com mais exposição como o rosto, por exemplo, é necessário evitar os raios solares pelo menos dois dias depois da depilação e abusar do protetor solar.

SOBRE A REDE PELLO MENOS

A rede Pello começou em junho de 1996 num salão em Copacabana para oferecer um serviço diferenciado de depilação, minimizando as dores e o desconforto de salões de beleza pouco intimistas. Atualmente a rede conta com mais de 40 unidades nos estados do Rio de Janeiro, Brasília e São Paulo. Mais informações: www.pellomenos.com.br

 



Edição anterior (1732):
quinta-feira, 08 de agosto de 2019
Ed. 1732:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1732): quinta-feira, 08 de agosto de 2019

Ed.1732:

Compartilhe:

Voltar:








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior