Edição anterior (1840):
domingo, 24 de novembro de 2019
Ed. 1840:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1840): domingo, 24 de novembro de 2019

Ed.1840:

Compartilhe:

Voltar:


  Educação

Novas diretrizes para educação básica visam a igualdade e empatia

Workshop para educadores será realizado na próxima semana para orientar sobre mudanças, que passam a valer em 2020

João Vítor Brum, especial para o Diário

Em 2020, a nova Base Nacional Curricular Comum (BNCC) começará a ser aplicada, com o objetivo de nortear os currículos das redes pública e privada da educação básica no país. Com a mudança, espera-se que o ensino se torne mais igualitário e humanizado, utilizando uma abordagem diferente: o documento não prevê um currículo específico, fechado, e sim competências que os estudantes devem desenvolver ao longo da vida escolar. Um workshop, que acontece no Colégio Santa Catarina nesta semana, irá tratar dos temas que devem ser trabalhados em sala.

A BNCC estabelece conhecimentos, habilidades e competências que os estudantes precisam desenvolver ao longo das etapas da educação básica. Como a Base não propõe um currículo unificado, e sim orienta o caminho a ser seguido, as redes de ensino podem adequar as normas a seus respectivos sistemas.

O documento que define as mudanças para o próximo ano foram homologadas em dezembro de 2017, e tem como objetivo principal tornar a educação brasileira mais igualitária, crítica e empática.

Para o professor Júlio Freitas, Mestre em Administração e Educação, o desenvolvimento de toda a sociedade pode ser beneficiado com a aplicação destas novas competências na educação básica.

- O período escolar é fundamental para o desenvolvimento dos valores que serão levados para toda a vida. Se conseguirmos ampliar o preparo emocional e social, além do cognitivo, podemos avançar para termos uma sociedade com mais paz, menos violência e pessoas mais felizes - destacou Júlio.

No novo documento, dez competências gerais são destacadas: conhecimento; pensamento científico, crítico e criativo; repertório cultural; comunicação; cultura digital; trabalho e projeto de vida; argumentação; autoconhecimento e autocuidado; empatia e cooperação; e responsabilidade e cidadania.

Nas especificações de cada competência, são citadas as necessidades do desenvolvimento do diálogo, dos trabalhos individuais e em grupo, da empatia, responsabilidade, entre outras.

A rede municipal de Petrópolis já utiliza as competências previstas pela BNCC em seu planejamento. Inclusive, desde 2017, encontros de formação são realizados regularmente com orientadores das unidades escolares onde são abordadas as orientações da Base.

Durante o ano letivo, as escolas e Centros de Educação Infantil já realizam atividades orientadas que trabalham competências citadas no documento. Em outubro deste ano, a Secretaria de Educação realizou um seminário, onde foram apresentados trabalhos realizados em várias unidades a partir dos temas.

Entre os projetos que já operam, estão Habilidades Socioemocionais no Tempo Integral de Petrópolis ( tema desenvolvido em 12 unidades de tempo integral) e A voz do estudante na construção do espaço escolar, desenvolvido na Escola São João Batista.

Bullying no Brasil supera a média de outros 48 países

Um levantamento realizado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o ambiente das escolas brasileiras é duas vezes mais suscetível ao bullying do que em outros 48 países. Os números fazem parte da Pesquisa Internacional sobre Ensino e Aprendizagem 2018 (Talis, na sigla em inglês), que também aponta que 28% dos diretores das instituições de ensino do país percebem a intimidação ou bullying como um problema semanal ou diário. Com novas competências, como a resolução de conflitos e o respeito às diferenças, a hostilidade no ambiente escolar pode se tornar menor, como pontua Júlio Freitas.

- Existem alguns fatores que levam ao bullying e, entre eles, está o preconceito. Desenvolver competências emocionais, como a empatia, ajuda muito no processo de aceitação da diversidade e, com isso, na diminuição do preconceito e do bullying - salienta o profissional, que criou, também, o Projeto Empatizar, que tem como objetivo tornar a sociedade mais empática, em diversas esferas.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, a segunda causa mais comum de morte entre jovens de 15 a 24 é o suicídio, e, ainda de acordo com a instituição, o bullying é um dos cinco principais motivos para os casos, ao lado de doenças ligadas à depressão ou ansiedade; ao uso abusivo de drogas; e as violências sexual e doméstica.

- Vivemos uma sociedade bastante complexa e difícil, e muitos jovens (e pessoas mais velhas também) não conseguem lidar com essa complexidade. Isso leva a problemas seríssimos de ansiedade, depressão e, no limite, a casos de suicídio - disse Júlio, destacando, também, a necessidade de trabalhar o lado emocional ao lado das outras competências.

- É importante trabalhar o lado emocional e, ao mesmo tempo, oferecer condições para os estudantes terem poder de crítica frente à avalanche de informações disponíveis - completou.

Workshop voltado a educadores irá falar sobre as mudanças na BNCC

No próximo sábado (30), será realizado, no Colégio Santa Catarina, no Centro, o Workshop PECC (Pensamento Empático, Crítico e Criativo), voltado para educadores, profissionais de Recursos Humanos, estudantes de pedagogia e psicologia e outras pessoas envolvidas direta ou indiretamente com educação de desenvolvimento humano.  

- Não podemos contar o que faremos lá para não estragar a surpresa das atividades que preparamos, mas no novo modelo construído para este workshop, todo o desenvolvimento teórico acontece aliado à prática - frisa André Dávila, pós-graduado em Filosofia e Existência, pedagogo, escritor e professor, entre outras ocupações.

André irá tratar, no workshop, do pensamento crítico, enquanto Júlio de Freitas irá falar de empatia e José Luiz Lima (que é mestre em Ciências Sociais e professor de história) abordará a critividade.

As inscrições podem ser feitas através da página do instituto Empatizar (www.empatizar.com.br/pecc). Professores, estudantes e grupos com no mínimo três pessoas terão direito a descontos e o valor total, de R$ 130, poderá ser parcelado no cartão de crédito. O workshop começa às 8h30 e a expectativa de término é às 18h.



Edição anterior (1840):
domingo, 24 de novembro de 2019
Ed. 1840:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1840): domingo, 24 de novembro de 2019

Ed.1840:

Compartilhe:

Voltar:







Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior