Edição anterior (1562):
terça-feira, 19 de fevereiro de 2019
Ed. 1562:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1562): terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

Ed.1562:

Compartilhe:

Voltar:


  Cidade

Parque São Vicente sofre com a falta de manutenção

Região recebe muitos turistas nesta época, o que evidencia o abandono

João Vitor Brum  joaovitor@diariodepetropolis.com.br


 Petropolitanos que não moram no Centro Histórico vêm denunciando o abandono dos bairros. No Parque São Vicente, no Quitandinha, os moradores já não sabem a quem pedir ajuda, já que há questões a serem resolvidas em manutenção viária, capina, manutenção dos lagos, retirada de árvores, entre outros.

Conhecido pela pista de voo livre popularmente chamada de “Nas Nuvens”, o Parque São Vicente possui dois acessos, ambos pela BR-040. Um deles é pela Rua Nair de Tefé, onde fica um lago.

O local tem animais como peixes e tartarugas e estava praticamente todo tomado por gigogas. As plantas se desenvolvem no meio ambiente aquático contaminado, e é conhecida por despoluir as águas.

A retirada feita no último ano foi realizada manualmente, com auxílio de cordas, depois de uma alta taxa de mortalidade de peixes ser registrada. Para se ter dimensão do problema, 70 toneladas da planta foram retiradas. O outro acesso, pela Rua Bahia, apresenta problemas de manutenção viária ainda na entrada.

O que mais chama atenção, no entanto, é um buraco na altura do número 400 da Rua Paula Buarque, que vem sendo denunciado pelo Diário desde dezembro. Mato, galhos e pedaços de madeira foram colocados no local, que é logo após uma curva fechada na via de mão dupla, para que um acidente não ocorra. No dia 13 de janeiro, o Diário produziu uma matéria sobre o buraco, mas não obteve resposta da Prefeitura.

- É preocupante a situação, pois nesta época do ano o fluxo de veículos no bairro aumenta, e o buraco está ali e só cresce, e ninguém vem ver – disse Sônia Maria da Costa, aposentada que mora próxima ao local.

Um outro lago localizado na região também precisa de maior atenção. No entorno da Rua Paula Buarque, o mesmo conta com mau cheiro e, ocasionalmente, peixes mortos são vistos. Além disso, há muito mato em volta do local.

Na rampa de voo livre, famosa por seu lindo pôr-do-sol, os problemas continuam. Há deslizamentos de terra em diversos trechos de acesso ao local, além de uma árvore que caiu na última semana. Na rua, onde visitantes estacionam, há uma outra árvore, de porte médio, caída. Chegando à pista, o mato alto também chama a atenção.

Uma quadra poliesportiva, na comunidade, conta com muitos problemas, como grades cortadas e enferrujadas e poças ao longo de todo o local, que é usado por crianças e adolescentes do bairro. Outra  questão recorrente é a iluminação pública. Muitos postes da região funcionam de maneira irregular, acendendo e apagando constantemente ao longo da noite.

Questionada, a Prefeitura informou que a Rua Paula Buarque está incluída na programação do serviço de manutenção viária e que irá avaliar a necessidade de reparos no calçamento no Parque São Vicente e providenciar o serviço.

Sobre as árvores, a Comdep enviou uma equipe ao local para verificar a situação e fazer a retirada de troncos e galhos. A Secretaria de Meio Ambiente também vai enviar uma equipe para analisar as árvores na região.

A Comdep também vem atendendo a região do Parque São Vicente desde meados de janeiro com roçada, coleta de entulho, remoção de lixo de verde e já está programando a capina no local para os próximos dias.

Quanto ao deslizamento, a Defesa Civil não foi acionada para o local, mas vai enviar uma equipe de técnicos para analisar a situação.

A respeito da iluminação pública, a empresa contratada para o serviço, a Vitorialuz, promoveu o reparo de 17 pontos apenas no Parque São Vicente. Uma equipe esteve no local na última sexta-feira (15) e fez o conserto de um ponto.

A quadra esportiva da Rua Amazonas é uma das que será reformada com recursos federais. O local já passou por sondagem do terreno e está na fase de conclusão do projeto executivo. Quanto à limpeza do lago, o serviço é de responsabilidade do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), que pode utilizar máquinas pesadas para o trabalho.

 


Edição anterior (1562):
terça-feira, 19 de fevereiro de 2019
Ed. 1562:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1562): terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

Ed.1562:

Compartilhe:

Voltar:








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior