Edição anterior (1515):
quinta-feira, 03 de janeiro de 2019
Ed. 1515:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1515): quinta-feira, 03 de janeiro de 2019

Ed.1515:

Compartilhe:

Voltar:


  Ambiente

Larissa Vaccarini Ávila, Sarisha  Trindade do Carmo e Alessandro Antunes.
 

Petrópolis participa de programa contra extinção de saguis

Pesquisas são realizadas nas matas da cidade

 

Um grupo de pesquisadores do Projeto Aurita da Universidade Federal de Viçosa esteve em Petrópolis para uma pesquisa, parte do Programa de Conservação dos Saguis-da-serra - PCSS. O trabalho foi realizado na última semana, nas matas da cidade, consistindo em levantamentos para coleta de dados e identificação do habitat e distribuição da espécie na região.

O PCCS faz parte do Novo Pan (Plano de Ação Nacional) para Primatas lançado em 2018 pelo ICMBio - Instituto Chico Mendes para Conservação da Biodiversidade e coordenado pela ONG PREA – Programa de Educação Ambiental. O Programa tem como foco a conservação de duas espécies de saguis, também conhecidos como micos ou macaquinhos, naturais das áreas montanhosas da Mata Atlântica do Sudeste do Brasil e ameaçados de extinção: o sagui-de-serra (Callithrix flaviceps), que ocorre no Espírito Santo; e o sagui-da-serra-escuro (Callithrix aurita), que ocorre nas regiões montanhosas do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais.

A ameaça de extinção dos saguis ocorre devido à enorme perda de seu habitat natural (Mata Atlântica); por não serem bem adaptados ao convívio com seres humanos; e por estarem perdendo o pouco território que lhes resta para os saguis invasores provenientes do Nordeste e Centro Oeste.

Em Petrópolis, os pesquisadores encontraram grupos de C. Aurita (sagui-da-serra-escuro) puros nos limites da Reserva Biológica de Araras, do Parque Nacional da Serra dos Órgãos e da Reserva Biológica do Tinguá.

Um trabalho de Educação Ambiental também está sendo realizado sob o comando do coordenador do PCCS em Petrópolis, Alessandro Antunes. Palestras, dinâmicas, brincadeiras, teatro de fantoches, dentre outras atividades pedagógicas, já começaram a ser colocadas em prática, sendo o CAUCP – Colégio de Aplicação da Universidade Católica de Petrópolis a primeira unidade educacional a ser contemplada.

Participaram da pesquisa de campo em Petrópolis: o coordenador de Educação Ambiental da ONG PREA – RJ, Alessandro Antunes; e os integrantes do Projeto Aurita da UFV: o mestrando em Biologia Animal, Orlando Vitor Vital; os graduandos em Medicina Veterinária, Sarisha Trindade do Carmo, Larissa Vaccarini Ávila e Jorge Guimarães dos Santos; os graduandos em Ciências Biológicas, Natan Tomaz Massardi e Dante Feital Gjorup; e o Biólogo Rodrigo Bramili, do Rio de Janeiro.

Essa pesquisa tem sido patrocinada pela Beauval Nature Association (França) e pela AFdPZ – Associação Francesa de Parques e Zoológicos, e coordenada pelo Dr. Rodrigo Salles de Carvalho - primatólogo coordenador de pesquisa do PREA e membro da Sociedade Brasileira de Primatologia.


 C. Aurita (foto: Gustavo Pedro de Paula)

 



Edição anterior (1515):
quinta-feira, 03 de janeiro de 2019
Ed. 1515:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1515): quinta-feira, 03 de janeiro de 2019

Ed.1515:

Compartilhe:

Voltar:


Casando com Estilo








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior