Edição anterior (1746):
quinta-feira, 22 de agosto de 2019
Ed. 1746:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1746): quinta-feira, 22 de agosto de 2019

Ed.1746:

Compartilhe:

Voltar:


  Saúde

Petrópolis se mantém sem registros de sarampo

Segundo Prefeitura, a cidade não registra casos desde 1992; RJ está em alerta devido a surto em SP

Wellington Daniel

Petrópolis ainda se mantém sem casos de sarampo. Segundo a Secretaria de Saúde do município, não há registros na cidade desde 1992. Ainda assim, a preocupação continua, pois os casos da doença não param de crescer no estado vizinho, São Paulo. No primeiro dia do mês, considerando o estado do Rio de Janeiro um “corredor potencial” da doença, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) decretou estado de alerta.

 

A Prefeitura informou que a Secretaria de Saúde vem realizando ações de prevenção e disponibilizando doses da vacina durante todo o ano e ontem (21), o estoque era de 600 doses. As salas de vacina funcionam nas seguintes unidades de saúde: Posse, Pedro do Rio, Itaipava, Hospital Alcides Carneiro, Alto da Serra, Retiro, Araras, São Sebastião, Centro de Saúde do Centro, Mosela, Quitandinha, Independência, Centro de Saúde do Itamarati, Morin e Ambulatório Escola.

A média de vacinação tem sido alta no município, segundo o executivo. Porém, não alcança a meta (95% de cobertura) desde 2017. Neste ano, foram aplicadas 2.066 doses da vacina triviral, o que representa 90,4% dos nascidos vivos do município aptos a se vacinarem. A Coordenadoria de Vigilância Epidemiológica informou que “mantém trabalho de orientação e verificação da imunização na população atendida na rede”.

A nota da Secretaria conclui orientando qual público deve se vacinar e sobre a importância da imunização.

- Vale ressaltar que as pessoas que já foram vacinadas, não precisam tomar outra dose. A recomendação é de que pessoas entre um e 29 anos e os profissionais de saúde recebam duas doses. Pessoas entre 30 e 49 anos, que ainda não foram imunizadas, precisam de uma única dose. Gestantes e pessoas imunodeprimidas não podem receber a vacina. A Coordenadoria de Vigilância Epidemiológica de saúde alerta sobre a importância da vacina, que garante não só a proteção da pessoa imunizada, mas de todos que estão a sua volta – concluiu o executivo.



Edição anterior (1746):
quinta-feira, 22 de agosto de 2019
Ed. 1746:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1746): quinta-feira, 22 de agosto de 2019

Ed.1746:

Compartilhe:

Voltar:







Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior