Edição anterior (2293):
sexta-feira, 19 de fevereiro de 2021
Ed. 2293:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2293): sexta-feira, 19 de fevereiro de 2021

Ed.2293:

Compartilhe:

Voltar:


  ALERJ

Política de combate à intolerância religiosa será criada no Rio

Texto: Gustavo Natario, Leon Lucius e Juliana Mentzingen 

 

Com o objetivo de conscientizar a comunidade escolar, será instituída nos colégios públicos e privados do Estado do Rio a Política de Combate à Intolerância Religiosa. É o que determina o projeto de lei 1.402/19, do deputado Waldeck Carneiro (PT), que a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou em discussão única nesta quinta-feira (18/02). A medida será encaminhada ao governador em exercício, Cláudio Castro, que terá até 15 dias úteis para sancioná-la ou vetá-la.

Segundo a medida, as escolas poderão promover ações extracurriculares com os seguintes temas: o respeito à liberdade individual de crença e de culto e à diversidade cultural e religiosa, a luta contra o racismo no Brasil, a importância na formação da sociedade brasileira da ancestralidade africana, indígena e da tradição judaico-cristã, a relação entre a liberdade religiosa e a laicidade do Estado, além das consequências da intolerância a qualquer manifestação religiosa.

A política não isenta as escolas de promoverem as atividades previstas na Lei Federal 10.639/03. O projeto visa fortalecer a Lei 8.113/18, que criou o Estatuto Estadual da Liberdade Religiosa. A medida também determina que a direção de cada unidade escolar mantenha, em locais de fácil visualização, as seguintes informações: número telefônico da Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi); Disque 100, do Governo Federal, canal destinado a receber denúncias de violações de direitos humanos; Disque Combate ao Preconceito, do Governo Estadual; informações sobre como proceder para denunciar casos de intolerância religiosa; o texto do artigo 208 do Código Penal Brasileiro, que descreve as condutas de intolerância religiosa tipificadas como crimes.

“O engajamento das comunidades escolares é fundamental para o combate à intolerância religiosa, uma vez que é nesse ambiente que muitas vezes se tem o primeiro contato com a ideia de sociedade, sendo ainda o lugar em que se aprende a dividir o espaço com outras pessoas, de outras famílias, o que proporciona contato com outros costumes, valores e culturas”, afirmou Waldeck.



Edição anterior (2293):
sexta-feira, 19 de fevereiro de 2021
Ed. 2293:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2293): sexta-feira, 19 de fevereiro de 2021

Ed.2293:

Compartilhe:

Voltar:








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior