Edição anterior (1919):
terça-feira, 11 de fevereiro de 2020
Ed. 1919:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1919): terça-feira, 11 de fevereiro de 2020

Ed.1919:

Compartilhe:

Voltar:


  Acessibilidade

Precisamos redefinir o conceito de acessibilidade

 

 

Está na hora de rompermos as barreiras atitudinais que impedem a inclusão social de pessoas com deficiência intelectual

O Brasil é um país rico em diversidade. Desde a nossa colonização, temos em nossa população pessoas de todas as raças, cores, credos, posições políticas e orientações sexuais. Cada vez mais, a sociedade busca o respeito aos direitos individuais de cada cidadão, bem como a aceitação às diferentes formas de se viver em comunidade. Nesse cenário, precisamos falar sobre deficiência. É notável que, ao longo das últimas décadas, caminhamos no sentido da inclusão social de cerca de 45 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência que vivem hoje no país, segundo dados do Censo de 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Entretanto, ainda há muito pela frente.

Desde que o Instituto Jô Clemente (antiga APAE DE SÃO PAULO) foi inaugurado, em 1961, registramos muitos avanços. Naquela época, as pessoas com deficiência eram segregadas, escondidas da sociedade pelas próprias famílias. Ao longo dos anos, estimulamos e vimos muitas crianças, jovens e idosos com deficiência intelectual, nosso foco de atuação, conquistarem espaço na sociedade por meio da inclusão escolar e profissional, mas não é o bastante. A sociedade precisa se engajar nessa causa para obtermos resultados mais concretos e atingirmos pessoas que ainda são segregadas.

Muitos ainda enxergam a deficiência apenas por meio de uma cadeira de rodas ou de pisos táteis. Esses são recursos fundamentais sim, mas não são os únicos necessários para promover a inclusão. Esse é um paradigma que precisa ser rompido. A pessoa com deficiência, seja intelectual ou de qualquer tipo, é tão capaz quanto qualquer outra, podendo desenvolver atividades complexas na escola, no trabalho, na vida social e afetiva. Há sim a necessidade de se dar apoio e acessibilidade, mas não só por meio de estruturas arquitetônicas. Está na hora promovermos uma acessibilidade social e eliminarmos as barreiras atitudinais, ou seja, abrir espaço para que as pessoas com deficiência sejam incluídas em todas as esferas sociais, tendo as mesmas oportunidades das demais.

Nós, do Instituto Jô Clemente, enxergamos a deficiência intelectual e todas as outras como um grande aprendizado. É comum ouvirmos representantes de empresas dizerem que aprenderam muito depois de terem contratado pessoas com algum tipo de deficiência, em especial a intelectual, cuja acessibilidade não depende de rampas ou pisos táteis, mas do apoio e envolvimento das pessoas ao redor. Também não é raro escutarmos pais de crianças e adolescentes dizerem que seus filhos com algum atraso no desenvolvimento neuropsicomotor aprenderam muito mais na escola regular comum do que em uma escola especial, por conta da socialização com os outros estudantes. Trata-se de uma troca de experiências importante para o desenvolvimento de todos os envolvidos. Quando as barreiras atitudinais são eliminadas, começamos a entender que é possível ampliar o leque de respeito à diversidade, incluindo todas a minorias e valorizando o potencial de cada pessoa, independentemente de qualquer condição.

A nossa visão é otimista. Temos o propósito e a clareza de que a inclusão social é o melhor caminho para a construção de uma sociedade mais justa e com direitos e deveres iguais para todos e acreditamos que isso se tornará realidade.

Daniela Mendes
Superintendente-geral do Instituto Jô Clemente

Sobre o Instituto Jô Clemente

O Instituto Jô Clemente é uma Organização da Sociedade Civil sem fins lucrativos que há mais de 58 anos previne e promove a saúde das pessoas com deficiência intelectual, além de apoiar a sua inclusão social e a defesa de seus direitos, produzindo e disseminando conhecimento. Atua desde o nascimento ao processo de envelhecimento, propiciando o desenvolvimento de habilidades e potencialidades que favoreçam a escolaridade e o emprego apoiado, além de oferecer assessoria jurídica às famílias acerca dos direitos das pessoas com deficiência intelectual.

Pioneiro no Teste do Pezinho no Brasil e credenciado pelo Ministério da Saúde como Serviço de Referência em Triagem Neonatal, o Laboratório do Instituto Jô Clemente é o maior do Brasil em número de exames realizados. Por meio do CEPI - Centro de Ensino, Pesquisa e Inovação do Instituto Jô Clemente, a Organização gera e dissemina conhecimento científico sobre deficiência intelectual com pesquisas e cursos de formação.

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (11) 5080-7000 ou pelo site: www.ijc.org.br

 



Edição anterior (1919):
terça-feira, 11 de fevereiro de 2020
Ed. 1919:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1919): terça-feira, 11 de fevereiro de 2020

Ed.1919:

Compartilhe:

Voltar:







Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior