Edição anterior (2086):
segunda-feira, 27 de julho de 2020
Ed. 2086:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2086): segunda-feira, 27 de julho de 2020

Ed.2086:

Compartilhe:

Voltar:


  Cidade

Reforma da Catedral São Pedro de Alcântara deve  começar em agosto

Thaciana Ferrante/Foto Alcir Aglio


 No último mês foi anunciada a reforma da Catedral São Pedro de Alcântara. O projeto, que deve começar em agosto deste ano, prevê que na primeira fase seja feito o restauro artístico de elementos. Assim como a implantação de uma galeria expositiva no segundo piso e na parte interna - que permitirá a exposição de obras artísticas, e a implantação do sistema de segurança de combate a incêndio e pânico. Serão realizadas ainda obras de reforço estrutural da Catedral. O projeto permitirá ainda a exposição de obras artísticas e objetos sacros de forma virtual.

A verba destinada ao projeto é de R$ 13,4 milhões. O custeio será feito pelo Banco Nacional de Desenvolvimento econômico e Social (BNDES), a partir do projeto apresentado pela Mitra Diocesana. A expectativa é que as intervenções durem um ano a partir do início das obras. Apesar da previsão das obras começarem no mês que vem, o contrato ainda precisa ser assinado e a empresa responsável pelo trabalho escolhida, segundo o pároco da Catedral São Pedro de Alcântara, Adenilson Silva Ferreira.

Cronograma de restauro

A restauração da catedral ocorrerá em três ações restauro externo do edifício, abrangendo a recuperação da cobertura e do madeiramento estrutural, elementos de ornamentação e calhas, recolocação das rosáceas e modernização de toda a parte elétrica no interior e exterior da igreja, assim como instalação de sistema de combate a incêndio. Serão realizados também o restauro e a requalificação interna, com recuperação de elementos artísticos. Finalmente, haverá a implantação de uma galeria expositiva nos dois primeiros pavimentos da torre que antecedem o sino.

Nas cúpulas e agulhas neogóticas da catedral serão instaladas uma passarela e telas de projeção para contar a história da construção do prédio e exibir documentos históricos da fundação da cidade. A nova área permitirá a visitação do público à torre, que tem 70 metros de altura e proporciona uma vista panorâmica da cidade.

A igreja recebe cerca de 300 mil visitantes por ano e as visitas são gratuitas. A expectativa é que após a conclusão das obras, o número de visitantes aumente entre 20% e 25%. A estimativa do BNDES é que após a reforma o templo receba cerca de 5,2 mil visitantes por mês.

Visitação

Todo um planejamento está sendo montado para que a reforma da igreja não atrapalhe a visitação de turistas e fiéis da cidade. Mas tudo dependerá do cronograma das obras. Nem sempre os espaços estarão abertos, por questão de segurança dos operários da obra e dos visitantes. Já as celebrações acontecerão, como em muitos outros lugares, em espaços da Igreja que não estiverem sendo reformados. Quanto aos casamentos contando com a compreensão dos fiéis pois elas ficarão para depois do término das obras. Se houver possibilidade, nós os realizaremos. Mas, isso dependerá do cronograma de execução das obras, ressaltou o pároco.

História arquitetônica

A importância histórica e arquitetônica da Catedral São Pedro de Alcântara é reconhecida mundialmente. Não é a toa que o templo religioso é um dos principais pontos turísticos de Petrópolis. Trata-se de uma igreja em estilo neogótico, atendendo ao pedido da Princesa Isabel e realizado pelo engenheiro-arquiteto baiano, Francisco de Azevedo Monteiro Caminhoá. O projeto foi aprovado no dia 19 de fevereiro de 1883, contou o pároco.

Como toda construção religiosa e de grande vulto existe a colocação da pedra fundamental. No caso da Catedral houve algumas, com a delas sendo colocada no dia 12 de março de 1876. Nesta data, com a presença de diversas autoridades, inclusive Dom Pedro II e a Princesa Isabel, foi depositado junto com a pedra fundamental um cofre com alguns jornais da época do Rio de Janeiro e Portugal, além de uma coleção completa de moedas de ouro, prata e cobre, cunhadas no Império Brasileiro.

A segunda pedra foi colocada em 18 de maio de 1884. Nesta segunda pedra, em um cofre foi colocado uma cópia da Lei do Ventre Livre, sancionada pela Princesa Isabel, além de jornais e diversos documentos. As duas pedras com os respectivos cofres estão até hoje sobre o antigo altar da Igreja, onde era celebrada a missa de costas para o povo - conforme rito da época.

Vale destacar todo empenho da Princesa Isabel, mesmo durante seu exílio, para construção da Catedral de Petrópolis, fazendo diversas doações ajudando na construção e incentivando que outros fizessem o mesmo. Outro fato interessante é o apelo dramático de Monsenhor Teodoro Rocha para que os católicos e demais petropolitanos ajudassem para conclusão das obras da Catedral, teve um ataque, caiu do púlpito e morreu. Nove meses após seu falecimento, no dia 29 de novembro de 1915 as portas da Catedral abriram solenemente, contou.

Outro destaque da Catedral, além do magnifico Órgão, são as diversas obras de Jean-Marie Joseph Magrou, um artista muito famoso e conceituado na época. Entre as obras está a imagem de São Pedro de Alcântara, do Sagrado Coração de Jesus e da Sagrada Família. Assim como o mausoléu da Família Imperial onde estão os restos mortas do Imperador Dom Pedro II e da Imperatriz Teresa Cristina, da Princesa Isabel e seu esposo, Cond’Eu.

A obra completa da Catedral foi concluída na década de 1970. São Pedro de Alcântara, é o padroeiro de Petrópolis por ser o padroeiro da Família Imperial. Em 1826, Dom Pedro I solicitou ao Papa Leão XII que São Pedro de Alcântara fosse declarado Padroeiro do Brasil e desde então ele é o padroeiro do Brasil junto com a Nossa Senhora Aparecida.

Trata-se de uma grande obra de restauração e revitalização do templo que se tornou cartão postal da cidade de Petrópolis. Sob ponto de vista da fé ficamos felizes porque se trata do esplendor casa de Deus, de um espaço sagrado no qual uma comunidade de fé se reúne para celebrar seu encontro com Deus e com os irmãos. Sob ponto de vista arquitetônico, trata-se da valorização de um monumento que apresenta a beleza do estilo neogótico.  Sem contar que é o segundo ponto turístico mais visitado de Petrópolis.



Edição anterior (2086):
segunda-feira, 27 de julho de 2020
Ed. 2086:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2086): segunda-feira, 27 de julho de 2020

Ed.2086:

Compartilhe:

Voltar:








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior