Edição anterior (2251):
sexta-feira, 08 de janeiro de 2021
Ed. 2251:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2251): sexta-feira, 08 de janeiro de 2021

Ed.2251:

Compartilhe:

Voltar:


  Colunistas
Reinaldo Paes Barreto
COLUNISTA

 

 

Prosecco, espumante e champagne (2)

 

Na semana passada, “degustamos” o Prosecco. Hoje será a vez dos espumantes, ressalvando que a rigor todos os vinhos produzidos com uvas específicas (vitivinícolas) e cuja segunda fermentação se produz dentro da garrafa (*), pelo método champenoise (o termo ficou no feminino porque concorda com a expressão de origem, “la méthode”, em francês), são espumantes, salvo o champagne que é uma marca protegida por legislação própria e produzido numa região demarcada  por lei.

Nos espumantes, o que varia são as traduções: Sparkling, em inglês; Cava, em espanhol;  Sekt, em alemão , Mousseux, em francês; Franciacorta ou Asti na Itália,  por aí ... E todos eles, por maior ou menor espaço de tempo, são “hospedados” em garrafas espessas, por causa da efervescência do gás garbônico, (a pressão dentro delas atinge níveis de 5 a 6 atmosferas, iguais a um pneu de caminhão) e vedados por rolhas grossas, por sua vez protegidas por gaiolas de arame ou de ferro.

E os espumantes podem ser produzidos com a mistura de três uvas – tradicionalmente duas tintas e uma branca, sendo que na sua maioria uma das tintas é a Pinot Noir e a branca a Chardonnay , mas essas tintas e brancas podem variar, como no caso do Cava (é masculino) catalão em que a tinta é a Garnacha ou Xarel-lo e a branca a Macabeo; ou a branca sendo a Pinot Blanc, na Itália (Franciacorta) – ou só com uma uva, os espumantes varietais.

Quando a uva é a branca, em geral é a Chardonnay  e aí são chamados de Blanc de Blancs. Quando é tinta, é chamada Blanc de Noirs, produzidos ou com a Pinot Noir ou com a Pinot Meunier.  Grosso modo, as primeiras acompanham muito bem tira-gostos leves ou mariscos e os segundos sõa boa escolha para escoltar aves e até carne de porco com pouco molho.

Resumidamente, no caso do método champenoise (a maioria dos espumantes) a primeira fermentação se dá em cubas ou tanques e, a seguir, é adicionado o chamado licor de expedição (liqueur de tirage), composto de líquido com açucares e leveduras e então coloca-se o vinho em suas garrafas definitivas,  para a segunda fermentação.

É o que vai provocar as borbulhas são as bolhas de dióxido de carbono.

 

A temperatura ideal para servir todos os três (Proseccos, Espumantes ou Champagne) é entre 6 e 8 graus. E todos podem ser apreciados a qualquer hora do dia ou da noite, porque como disse o inventor do Champagne, o monge Don Pérignon, “estou bebendo estrelas”!

(*) O método Charmat consiste em induzir a segunda fermentação fora da garrafa, em tanques de inox (autoclaves). Desenvolvido em 1895 por um italiano, mas aperfeiçoado na França em 1907, a vantagem e que permite maior controle da temperatura e do nível de gás carbônico liberado, o que exalta as notas frutadas e o frescor da bebida.



Edição anterior (2251):
sexta-feira, 08 de janeiro de 2021
Ed. 2251:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2251): sexta-feira, 08 de janeiro de 2021

Ed.2251:

Compartilhe:

Voltar:

Veja também:








Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior