Edição anterior (2528):
domingo, 10 de outubro de 2021
Ed. 2528:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2528): domingo, 10 de outubro de 2021

Ed.2528:

Compartilhe:

Voltar:


  Carnaval
Relatório sugere Carnaval seguro no Rio com 80% da população vacinada

Documento aponta cinco indicadores de saúde e necessidade de discussão "ética" sobre realização do evento


  Imagem Pixabay 

 

Relatório recebido pela Comissão Especial do Carnaval da Câmara de Vereadores do Rio indica que a realização da festa só será segura, em 2022, com pelo menos 80% da população carioca e fluminense vacinada com as duas doses da vacina contra a Covid-19.

No momento, a capital tem 58,3% da população total imunizada, enquanto o total do estado está em 43%. No Brasil a taxa está em 46,4% faltando pouco mais de 4 meses para a folia.

O documento é assinado pelo pneumologista Hermano Castro, da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz, e pelo epidemiologista Roberto Medronho, da UFRJ. Além da cobertura vacinal em pelo menos 80%, outros quatro indicadores foram sugeridos e encaminhados para o prefeito Eduardo Paes.

Média móvel de casos de gripe e Síndrome Respiratória Aguda Grave menor que 110, com taxa de 1,63 casos a cada 100.000 habitantes;
Fila de no máximo três pessoas por dia na espera por internação no município do Rio com até uma hora para liberação de leito;
Máximo de 5% de testes RT-PCR positivos para covid nos útlimos sete dias;
Taxa de contágio menor que 1 (sendo o ideal 0,5) por um período de pelo menos 7 dias;


Além dos cinco indicadores sugeridos e do reconhecimento dos benefícios para a economia e para a saúde mental da população com a perspectiva de realização do Carnaval, os especialistas indicam a necessidade de que se faça um amplo debate com a população sobre os dilemas éticos de fazer a festa.

“A sociedade deve discutir qual o risco que ela deseja assumir com a realização do evento. Essa discussão transcende em muito os dados quantitativos oferecidos pelos indicadores. Ela é essencialmente ética. (…) Há grande incerteza sobre os riscos inerentes ao evento. Por isso, é fundamental uma discussão franca com toda a sociedade para que os riscos e benefícios da decisão da realização do carnaval sejam assumidos por todos”, escrevem Hermano Castro e Roberto Medronho.

Presidente da Comissão de Carnaval da Câmara de Vereadores do Rio, Tarcísio Motta (PSOL) disse que pretende realizar uma audiência pública em meados de novembro, a cerca de 100 dias para a festa.

“Até lá esperamos que o Comitê científico da prefeitura já tenha se posicionado, para que a gente possa analisar melhor a situação”, afirmou ele, que prevê a entrega do relatório do grupo no dia 2 de dezembro – não por acaso, data em que se comemora o Dia Nacional do Samba.

À CNN, o secretário de saúde do Rio, Daniel Soranz, afirmou que o cenário sanitário da cidade é positivo e de melhor momento desde o começo da pandemia.

Na próxima sexta (15), o prefeito Eduardo Paes deve anunciar a segunda etapa da reabertura na capital. Nela, o haverá a flexibilização da obrigatoriedade do uso de máscara em locais públicos e sem aglomeração – desde que o município atinja 65% da população carioca com as duas doses da vacina.

 

Crédito: CNN Brasil



Edição anterior (2528):
domingo, 10 de outubro de 2021
Ed. 2528:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2528): domingo, 10 de outubro de 2021

Ed.2528:

Compartilhe:

Voltar: