Edição anterior (1790):
sábado, 05 de outubro de 2019
Ed. 1790:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1790): sábado, 05 de outubro de 2019

Ed.1790:

Compartilhe:

Voltar:


  Política

Reunião na Câmara Municipal vai discutir o uso de agrotóxicos na cidade

 

A Câmara Municipal de Petrópolis receberá no próximo dia 08/10, terça-feira, a partir das 19h, uma reunião para discutir a questão da utilização dos agrotóxicos no município. A iniciativa do encontro é do vereador Silmar Fortes (MDB), que é presidente da Comissão em Defesa da Saúde.

O parlamentar ressaltou como se deu a proposição da reunião. “O Conselho de Segurança Alimentar (COMSEA) levantou essa proposta de discutir a questão de produção de alimentos e estamos criando uma semana para abordar o tema, a agroecologia e a nutrição sustentável para que possamos debater as diversas maneiras de produção de alimentos”.

Somente na quinta-feira, dia 03 de outubro, foram registrados pelo Ministério da Agricultura mais 57 agrotóxicos no país. Com isso o número de registros em 2019, até o momento, chega a 382, o mais alto da série histórica do Ministério, iniciada em 2005.

O aumento na liberação começou em 2016, quando o número saltou de 139 em 2015, para 277 em 2016. Em 2017 a quantidade de registros alcançou a marca de 405 e em 2018 foram mais 450 registrados.

“Há hoje a produção de alimentos que usa a tecnologia do orgânico e a tecnologia por meio de agrotóxicos, os defensivos agrícolas, os pesticidas. Sabemos que essa utilização necessita de um equilíbrio e que deve ser discutida com a sociedade, porque a questão da sustentabilidade ambiental é fundamental para a saúde da população e por isso precisamos debater a política agrícola, necessitamos deste encontro com a população, com os técnicos, com os produtores”, destacou Silmar.

A liberação para a comercialização de um novo agrotóxico no país passa por três órgãos reguladores: A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que avalia os riscos à saúde; O Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente), que analisa os perigos ambientais; e o Ministério da Agricultura, que verifica se o produto é eficaz para matar pragas e doenças no campo. A pasta formaliza o registro, após ser aprovado pelos demais órgãos.

“Sabemos que hoje temos vários incentivos para avançarmos na política agrícola com o uso mínimo de defensivos, sabemos também que houve um alto índice de liberação de agrotóxicos a partir de 2016 que não eram utilizados em outros países, outros continentes. Por isso, a importância dessa discussão com a sociedade, pois há as questões dos agrotóxicos relacionadas ao câncer, poluição do meio ambiente, dos alimentos e dos lençóis freáticos”.

Silmar reiterou ainda a importância da presença de todos para o debate. “Toda a sociedade está convidada, os ambientalistas, os produtores, o legislativo, para que tenhamos uma maturidade na utilização, na guarda e no descarte de todo o material que possa produzir danos ao meio ambiente e à saúde da população”.



Edição anterior (1790):
sábado, 05 de outubro de 2019
Ed. 1790:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (1790): sábado, 05 de outubro de 2019

Ed.1790:

Compartilhe:

Voltar:







Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior