Edição anterior (2128):
segunda-feira, 07 de setembro de 2020
Ed. 2128:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2128): segunda-feira, 07 de setembro de 2020

Ed.2128:

Compartilhe:

Voltar:


  Campanha
 

Setembro Amarelo: campanha  é ainda mais importante na pandemia

Especialista alerta sobre a importância de tratamento  a transtornos mentais

Jaqueline Ribeiro - Especial para o Diário

Instrumento para a disseminação de informações que podem ajudar a prevenir o suicídio, a campanha Setembro Amarelo tem um papel ainda mais importante  no atual cenário de pandemia. Mudanças radicais no dia a dia, aliadas ao volume de informações disponíveis e ao peso das notícias diárias - fatos que impactam a maioria das pessoas, representam um desafio ainda maior para aqueles que sofrem com  crises de ansiedade, angústia, bipolaridade, depressão, entre outros tipos de distúrbio emocionais,  psicológicos e psiquiátricos.  Coordenadora do curso de psicologia da Universidade Católica de Petrópolis, a professora e psicóloga Rosilene Ribeiro destaca que em todo  mundo o suicídio é uma questão de saúde pública e que a prevenção exige atenção das autoridade,cuidados e compreensão por parte das famílias, que precisam identificas e tratar os transtornos.

-  Em tempos de pandemia o número de transtornos emocionais e psiquiátricos  tende a aumentar.Verificamos uma elevação exponencial dos casos e com isso aumenta o risco de suicídio, que está intimamente relacionado ao agravamentos dos quadros. - alerta a psicóloga Rosilene Ribeiro, destacando que as pessoas que já apresentavam distúrbios de ansiedade, depressão  e outros transtornos psiquiátricos, exigem mais atenção pois tendem a ter o quadro agravado na pandemia.  - O confinamento, a insegurança, a angustia, tendem a agravar estes quadros. É muito importante chamar atenção da sociedade para esta questão, porque por vezes os familiares não percebem, não levam em consideração a gravidade de um quadro de sofrimento como este - explica.  

A psicóloga pontua indicadores que devem ser observados como a alteração de humor prolongada, alterações no sono, no apetite, dificuldade de interação social - situações que precisam ser observadas quando se tornam mais exacerbadas.  Além dos  transtornos de ansiedade, os quadros psiquiátricos  que podem ser agravados.  - Grande parte dos casos de suicídio estão relacionados aos quadros psiquiátricos  às vezes a depressão, as vezes a esquizofrenia, a dependência química,  quadros que em casos extremos podem levar ao suicídio pois o paciente entras em quadro de sofrimento enorme a tenta sanar aquela dor - alerta.

Nestes casos a família deve buscar auxilio especializado. - O profissional de saúde mental é o profissional especializado a cuidar destes casos. Muitas vezes, a família tem uma resistência a isso e vemos a família buscar orientação do médico da família, um apoio espiritual, mas é importante que as pessoas busquem atendimento com o psiquiatra, com o psicólogo, que são os profissionais preparados para  atender estes casos - explica, lembrando que a UCP dispõem do Serviço de Psicologia Aplicado (SPA), que oferece atendimento psicológico à população. - Em tempos de pandemia estamos implementando o atendimento online. As pessoas podem se cadastrar pelo telefone: 22209600 - orienta, lembrando que inicialmente as pessoas precisam fazer um cadastro. 

A prefeitura informou que estuda ações relativas ao Setembro Amarelo. Apesar de informar que os dados sobre os casos de suicídio ainda estão sendo compilados pele Setor de Epidemiologia, a Secretaria de Saúde informou que  não foi percebido, até o momento, um aumento de casos de suicídio em Petrópolis.
De acordo com a Secretaria de Saúde ad Unidades do Departamento de Saúde Mental não sofreram paralisação durante a pandemia. Em caso de necessidade, a população pode buscar as seguintes unidades no município:

1 - CAPS Nise (Rua Montecaseros nº 576 / 580, Centro - telefone: 2246-9064)
2 - CAPSI (Rua Marechal Floriano Peixoto nº 418, Centro - telefone: 22476893)
3 - CAPS Núbia Helena (Rua Maria Joaquina Félix Almeida nº 70, Itaipava)
4 - CAPS Ad Fênix (Rua Monsenhor Bacelar nº 492)
5 - Ambulatório Central de Saúde Mental (Rua Dom Pedro nº 185)

Ainda segundo o município, os atendimento aos pacientes com distúrbios psicológicos e psiquiátricos, em geral, e a àqueles que apresentam repertório de ideação suicida  é realizado pela Rede de Atenção Psicossocial (RAPS). Os atendimentos de urgência e emergência psiquiátrica são realizados no HMNSE, durante 24 horas em regime de plantão (Hospital Municipal Nelson de Sá Earp). Neste local são atendidos quadros graves com necessidade de um maior tempo de estabilização dos pacientes que apresentem quadros psiquiátricos, inclusive depressivos graves com intensão suicida, ou seja, que possam vir a realizar lesões corporais auto provocadas, com risco de morte.
O registro de casos de suicídio, ou de lesões auto provocadas são notificados à Direção de Vigilância Epidemiológica, que investiga os casos para fim estatísticos e de confirmação das informações contidas nas notificações que são compulsórias.
O município também possui outras unidades de atendimento psicossocial que integram a RAPS, sendo estas: Centro de Atenção Psicossocial Álcool e outras Drogas (CAPS AD III), CAPSi Infanto-juvenil e outros dois CAPS Nise da Silveira no Centro e outro Caps Núbia Helena, em Itaipava. A rede possui, ainda, dois ambulatórios de Especialidades em Saúde Mental, um no Centro e outro em Itaipava.
As Unidades Assistenciais que compõem a Rede de Atenção Psicossocial contam com médicos, psicólogos, enfermeiros e técnicos de enfermagem, assistentes sociais, capacitados para atender pacientes com transtorno depressivo nos graus leve, moderado e grave com e sem sintomas psicóticos, quadros de ansiedade, dentre outros transtornos mentais.
No ano de 2018, foram avaliados na Rede de Atenção Básica do Município, cerca de 230 casos codificados pelo CID- Código Internacional de Doenças (CID 10), como transtornos mentais depressivos ou que podem levar a um quadro de depressão.  
Os Postos de Saúde da Família e demais unidades de saúde realizam atendimentos para a população em geral e, no caso de identificação de quadros psiquiátricos com sintomas de depressão e intenção suicida, são direcionados para os atendimentos especializados.



Edição anterior (2128):
segunda-feira, 07 de setembro de 2020
Ed. 2128:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2128): segunda-feira, 07 de setembro de 2020

Ed.2128:

Compartilhe:

Voltar:







Rua Joaquim Moreira, 106
Centro – Petrópolis – RJ
Cep: 25600-000

ABRAJORI – Associação Brasileira dos Jornais do Interior