Edição anterior (2288):
domingo, 14 de fevereiro de 2021
Ed. 2288:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2288): domingo, 14 de fevereiro de 2021

Ed.2288:

Compartilhe:

Voltar:


  Cidade

Startup de Petrópolis busca humanizar contratações

HumanAZ é associada ao Serratec e voltada a profissionais de tecnologia

Wellington Daniel


 Uma startup de vagas para profissionais de tecnologia que procura alinhar os propósitos da empresa contratante e do candidato à vaga, como uma rede de relacionamentos, onde é possível ter um “match”. Essa é a proposta da HumanAZ, associada ao Parque Tecnológico da Região Serrana (Serratec) e fundada em 2017.

Em entrevista ao Diário, o CEO e fundador da startup, Rodrigo Curcio (FOTO), explica que o objetivo é criar uma ponte entre o candidato e a empresa, de uma forma humanizada. Curcio também é parceiro de crescimento do Serratec com foco em novos negócios.

- Somos uma startup de atração e direção de profissionais de tecnologia. Facilitamos e apoiamos o trabalho das empresas na contratação. Não somos nós quem contratamos, é a empresa. Nós facilitamos, criamos a ponte entre o profissional de tecnologia e a empresa, humanizando toda essa relação. Existe uma série de elementos a ser conjugados até, realmente, concretizar na contratação – explicou.

A plataforma é totalmente gratuita e de fácil acesso. Os algoritmos leem os currículos e destinam os candidatos às melhores vagas, de acordo com seu perfil. Atualmente, atende a cerca de 100 empresas, não apenas exclusivas de tecnologia, mas que contratam estes profissionais.

- A Humanaz ajuda a empresa a comunicar o propósito real dela no mercado, tanto tecnicamente, como de forma atrativa, para convidar o profissional a avaliar esse propósito. E tem um outro ponto nessa história, que é conectar o que o profissional é capaz de fazer, se ele atende ou não o que a empresa precisa – disse Curcio.

 

Inclusão

A ideia de conectar propósitos, seja da empresa ou do trabalhador, também faz com que haja inclusão, segundo Curcio. De acordo com o CEO, há uma parte humana do processo, que é entender se haverá o “match”, que é entender quem está conversando, de onde vem esta pessoa e qual o seu contexto. Além dos algoritmos, também há especialistas para avaliar os perfis.

- A inclusão está em perguntar o que a pessoa quer, para onde ela está direcionando o propósito dela, sem necessariamente olhar para a pessoa de forma estranha. É entender que a pessoa tem propósitos e competências como todos nós – afirmou.

Além disso, o objetivo é fazer com que não haja perda de tempo nem da empresa nem do trabalhador. O candidato, ao buscar a vaga, não se inscreverá apenas porque viu o anúncio, mas sim, porque achou que aquela oportunidade tem relação com o que ele procura. O mesmo para a empresa, que escolherá exatamente o que precisa.

- Os recrutadores olhavam o currículo de forma muito fria, se a pessoa tem ou não tem. Mas não se preocupava em entender o que a empresa precisava exatamente. Só se preocupava se a pessoa tinha ou não um determinado conhecimento. Criamos esse algoritmo, de inteligência artificial que conquistaria o que a empresa precisa naquele momento ou não – explicou.

 

Pandemia

Com a pandemia, o mercado de tecnologia não para de crescer. A empresa, com quase quatro anos de mercado, também viu um “boom” de demanda em maio, período em que muitos tiveram que adotar o home office e soluções tecnológicas por causa do isolamento social para evitar a propagação da covid-19.

- Já vínhamos em uma crescente, agora em 2020, foi quando em maio explodimos pela demanda crescente, porque a gente faz um processo de conexão entre profissionais e empresas de forma humanizada. Modelos de negócios como nosso explodiu na pandemia, se tornaram cada vez mais interessantes, porque com tanto afastamento precisávamos humanizar as relações com as pessoas que iríamos contratar – afirmou.

 

Dicas

O CEO também explica que a empresa caminha de forma diferente das dicas de mercado de como melhorar o currículo. No entendimento da HumanAZ, o importante é relacionar competências e propósitos. Quando o profissional vai elaborar um currículo, é importante ter em mente o seu objetivo, aquilo que ele realmente deseja.

- Com tantas oportunidades, o profissional fica muito perdido sobre que ele realmente quer. Muitas vezes, vai por causa de um salário ou marca da empresa, que é muito forte no mercado. Mas ele não está avaliando o que vai fazer todos os dias e como aquilo vai contribuir para a carreira dele. Então, o ideal é parar, olhar para o currículo e entender de que forma pode contribuir para a empresa – aconselhou.



Edição anterior (2288):
domingo, 14 de fevereiro de 2021
Ed. 2288:

Capa

Compartilhe:

Voltar:

HOJE

Edição anterior (2288): domingo, 14 de fevereiro de 2021

Ed.2288:

Compartilhe:

Voltar: